Tempo
|
A+ / A-

Movimento Ação Ética alerta para "grave problema demográfico" em Portugal

30 jul, 2021 - 12:32 • Olímpia Mairos

“Um país envelhecido, com poucas crianças, é um país enfraquecido e sem futuro”, diz o movimento cívico, em reação aos resultados preliminares dos Censos 2021, que indicam uma quebra de 2% da população portuguesa.

A+ / A-

O Movimento Ação Ética (MAE) considera que um país envelhecido, com poucas crianças é um país enfraquecido e sem futuro.

O alerta surge em reação aos resultados preliminares dos Censos 2021, revelados recentemente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que indicam uma quebra de 2% da população portuguesa.

O movimento cívico considera que “a melhor campanha que se poderá realizar para aumentar a natalidade seja a de valorizar a família enquanto instituição humana e pedra angular dos programas sociais do futuro e com futuro”.

No comunicado enviado à Renascença, o MAE defende que “mais do que nunca, é urgente criar um conjunto de medidas que contrarie este declínio demográfico” e alerta para a “necessidade de melhorar a conciliação entre a vida familiar e profissional, já que este é um dos motivos invocados para levar os jovens a adiar cada vez mais a decisão de terem filhos, agravando a baixa natalidade”.

“É igualmente necessário atuar no plano da segurança social (licença de parentalidade, bonificação no acesso à pensão de velhice para os pais que têm mais filhos, entre outras medidas), seja no plano tributário (apoio fiscal às empresas que promovam equipamentos de apoio aos filhos menores em condições de proximidade adequadas, dedução de despesas associadas à guarda de crianças, etc.), seja no plano laboral”, pode ler-se no comunicado.

Nesta área, o movimento entende que “é necessário reforçar os apoios a projetos e iniciativas de formação e emprego no âmbito dos serviços de apoio à família, a programas específicos de requalificação profissional para as mães após a licença de maternidade ou a licença sem vencimento permitida por lei, assim como estabelecer incentivos legais e fiscais ao trabalho a tempo parcial e teletrabalho”.

Portugal tem 10. 347. 892 residentes, menos 214. 286 do que em 2011.

"Maternidade foi desqualificada"

Em 2020 nasceram em Portugal 84.426 bebés. É o número mais baixo desde 1935, ano a partir do qual há estatísticas oficiais sobre a matéria e, segundo o movimento, o problema da queda da natalidade “tem sido agravado pela crise pandémica”.

“No nosso país e nos primeiros três meses de 2021 nasceram menos 2.898 bebés do que em igual período de 2020 (menos 13,7%), por sua vez, já pior do que em 2019”, exemplifica.

O movimento cívico, fundado pelo economista António Bagão Félix, o jurista Paulo Otero, o médico psiquiatra Pedro Afonso e o médico Vitor Gil, chama também à atenção para a taxa de fecundidade (número médio de crianças por mulher em idade fértil) que atingiu, em 2019, o valor de 1,42 filhos/mulher, quando a média mundial é 2,47, contra 3 filhos em 1970.

O MAE sublinha ainda que “a vida é o bem supremo, o maior de todos os bens e valores, constituindo um continuum desde a sua conceção até à morte” e entende que “desvalorizar qualquer dos seus momentos ou conformar-se com reduções estruturais da natalidade é pôr em causa o seu valor inalienável e intransferível”.

Para o MAE, nos últimos tempos tem subsistido “o implícito desprezo pela vida nascente, a desconsideração da dignidade da velhice, um certo utilitarismo pós-malthusiano e o enfraquecimento do valor ético da responsabilidade”.

“A maternidade foi desqualificada e emergiu uma mentalidade “anti-bebé”, fomentada por um individualismo que desvaloriza a família como célula essencial da sociedade”, denuncia o movimento cívico.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    30 jul, 2021 Funchal 15:52
    Censos da treta. Muitos alojamentos locais, legais ou não e outras residências receberam um envelope desta coisa e vivem mais famílias lá dentro. Existem apartamentos de aluguer social, com mais de uma família e por medo mentem e omitem nos censos. Logo, a população apurada não corresponde à correcta. Alguém tem dúvidas disto? Muitos estrangeiros, por medo da sua situação, também não responderam...enfim.
  • Joaquim Santos
    30 jul, 2021 Tojal 14:11
    Bruno discordas? O declínio económico de Portugal é directamente proporcional ao declínio demográfico e acompanha-o temporalmente. Bruno será necessário fazer um gráfico?!
  • Joaquim Santos
    30 jul, 2021 Não Sou Daqui 14:02
    “O movimento cívico, fundado pelo economista António Bagão Félix, o jurista Paulo Otero, o médico psiquiatra Pedro Afonso e o médico Vitor Gil, chama também à atenção para a taxa de fecundidade (número médio de crianças por mulher em idade fértil) que atingiu, em 2019, o valor de 1,42 filhos/mulher, quando a média mundial é 2,47, contra 3 filhos em 1970.” Meus caros Doutores estais preocupados?! Pois bem “Portugal desde 1995 fomentou, incentivou e levou outros países a implantarem a Ideologia de Género, Ideologia esta, que tem por fim o extermínio da Civilização Ocidental, da religião Católica e reduzir drasticamente a população do planeta Terra, em poucas décadas, através de aberrações antinaturais. Isto não vos preocupa? Não é esta ideologia nos seus aspectos menos evidentes que se tem implantado na nossa sociedade? Pois bem o que tendes feito? Tens feito campanha, elucidando pais e sociedade em geral sobre a doutrinação a que estão os nossos filhos na escola? Duvido! A vossa hipocrisia é grande, não basta escondermo-nos por detrás de associações com nomes pomposos. Texto escrito por alguém, que em criança necessitou medidas especiais de educação para que aos 14 anos pudesse concluir a antiga 4º classe.
  • João Oliveira
    30 jul, 2021 Edimburgo 13:47
    Muita gente não se apercebe do quão grave e o decréscimo populacional. Com menos crianças a nascer, menos adultos a ficar no país, haverá menos fundos para suportar os mais idosos. O pais fica mais pobre. Houve muita emigração nesta última década, o que agravou o problema. Precisamos de trazer mais gente para Portugal, para trabalhar, gerar famílias, garantir o futuro do país. Pessoas que fiquem cá de vez, e não que usem o pais como uma estadia temporária para depois rumar para o Norte da Europa.
  • Bruno
    30 jul, 2021 aqui 12:47
    Discordo totalmente. Um país sem futuro é o que teríamos se a população continuasse a aumentar. Não há recursos no planeta para sustentar tantas pessoas, de modo que só há duas opções: ou consumimos menos e mantemos a população ou então mantemos os mesmos níveis de consumo e baixamos a população. A sociedade portuguesa optou pela segunda opção e ela parece-me viável a longo prazo.

Destaques V+