Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Marcelo apela à vacinação e vê nos números da pandemia motivos de esperança

25 jul, 2021 - 19:20 • Lusa

Para o Presidente, é evidente que é a vacinação que "faz a diferença entre o galope que houve no outono do ano passado" e "o galope que muitos temiam que se desse, mas até agora não se deu, este ano".

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu este domingo que a vacinação é "o meio mais seguro" para combater e limitar a duração e efeitos pandemia, considerando haver razões para ter esperança quanto à evolução da Covid-19.

Em Vila Real, em declarações aos jornalistas, transmitidas pelas televisões, depois de ter visitado a bombeira que ficou ferida num acidente a caminho de um incêndio em Vinhais, o chefe de Estado afirmou que os números deste domingo da pandemia "deram mais uma razão de esperança".

"A vacinação é o meio mais seguro, de entre os que existem, de combater a pandemia, de limitar a duração da pandemia e os efeitos da pandemia", defendeu, deixando um apelo às pessoas para que se vacinem contra a Covid-19.

Para Marcelo Rebelo de Sousa é evidente que é a vacinação que "faz a diferença entre o galope que houve no outono do ano passado" e "o galope que muitos temiam que se desse, mas até agora não se deu, este ano".

"A resposta, além da competência dos nossos profissionais e do bom senso das pessoas, chama-se vacinas. É muito simples. Vacinas", reiterou.

Ao analisar os números da pandemia, o Presidente da República destacou que "o Rt está a descer, consistentemente ao longo dos dias", ou seja, "a transmissibilidade parece estar a reduzir-se por todo o território continental", o que considerou ser "bom porque logo seguir vem a redução do número de casos".

"Os internados não atingiram os mil entre as enfermarias e os cuidados intensivos. Tem subido, descido, subido, descido à volta das mesmas centenas e os cuidados intensivos não atingiram os 200. Quando eu declarei o estado de emergência, o segundo, iam em 340", enumerou.

Tudo isto, para Marcelo Rebelo de Sousa, "é o resultado de uma ação constante, consistente de vacinação".

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.292 pessoas e foram registados 953.059 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+