Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Vacinação terá evitado 700 mortes em dois meses e meio

23 jul, 2021 - 09:27 • Olímpia Mairos

A conclusão sai de uma investigação do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto.

A+ / A-

Veja também:


A vacinação contra a Covid-19 em Portugal já terá permitido evitar cerca de 700 mortes nos últimos dois meses e meio.

A conclusão é retirada por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto que estudaram o rácio entre o número de casos e o número de mortes anteriores ao início da vacinação e utilizaram as estimativas para calcular o valor esperado de óbitos, numa altura em que já se regista um grande impacto da vacinação nomeadamente nos grupos populacionais mais idosos.

O estudo, divulgado esta sexta-feira no jornal Público, mostra que no final de outubro, com um número de novos casos semelhante ao atual, os óbitos diários oscilavam entre as três a quatro dezenas, enquanto que, na semana passada, a média foi de seis a sete mortes por dia, ou seja, registaram-se cinco vezes menos mortes.

Apesar de as mortes com Covid-19 terem vindo a aumentar nos últimos dias, os números não se comparam com os que se verificavam no período anterior ao início da campanha de vacinação.

“Há uma redução de cerca de 80%” nos óbitos, quando se compara a situação atual com a vivida no final de outubro”, refere ao Público Carlos Antunes, matemático e investigador da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, que analisa os dados diariamente fornecidos pela Direcção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o matemático, o efeito da vacinação vê-se pela redução da incidência e pela redução da gravidade da doença e do número de óbitos.

Os investigadores alertam, no entanto, que o padrão da mortalidade, apesar de a proporção ter diminuído, não se alterou, sublinhando que os mais velhos continuam a ser os que mais morrem com Covid-19, em números absolutos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+