Tempo
|
A+ / A-

Governo permite progressão de 11.500 professores ao 5.º e 7.º escalões

25 jun, 2021 - 11:18 • Lusa

A carreira docente tem 10 escalões. Só professores com avaliações de Muito Bom ou Excelente podem aceder ao 5.º e ao 7.º, mas há um número limite, que os sindicatos criticam.

A+ / A-

Mais de 11.500 professores vão passar para o 5.º e 7.º escalões, o que significa que as vagas para progredir na carreira quase duplicaram no último ano, anunciou o Ministério da Educação nesta sexta-feira.

O despacho que fixa o número de vagas para chegar aos 5.º e 7.º escalões da carreira docente foi publicado em Diário da República, um procedimento que acontece uma vez por ano, dado que a carreira docente tem 10 escalões, mas apenas os professores com avaliações de Muito Bom ou Excelente acedem automaticamente àqueles dois escalões.

Os restantes professores ficam sujeitos ao contingente decidido anualmente pelo Governo. Assim, segundo o despacho, este ano, vão progredir cerca 6.700 docentes para o 5.º escalão e mais de 4.800 docentes para o 7.º escalão.

"Considerando o universo dos docentes que reúnem as condições legalmente exigidas, este número corresponde a 76% dos docentes que se encontram no 4.º escalão e a 62% dos docentes que se encontram no 6.º escalão", segundo informações avançadas hoje pelo gabinete do Ministério da Educação (ME).

A tutela recorda que, em 2019, acederam a estes dois escalões mais de quatro mil docentes e, em 2020, mais de seis mil docentes, "o que significa que, este ano, o número de progressões quase duplica em comparação com o ano passado".

Este despacho tem efeitos retroativos ao início do ano, devido às medidas extraordinárias definidas devido à pandemia e à suspensão das atividades letivas presenciais.

"Os prazos do ciclo foram adequados de forma a permitir o cumprimento dos requisitos de progressão, sem prejuízo para os docentes, uma vez que o despacho retroage os seus efeitos a 01 de janeiro de 2021. Deste modo, às vagas já fixadas para os 5.º e 7.º escalões, acrescem as vagas para a progressão relativas aos docentes a quem sejam adaptados os referidos prazos", acrescenta o ministério.

A publicação do número de vagas para estes dois escalões é fortemente criticada pelos sindicatos de professores, que contestam esta "barreira" na progressão da carreira, lembrando que a maioria dos docentes já vive durante vários anos uma situação de precariedade laboral, mantendo um vínculo de professor contratado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+