Tempo
|
A+ / A-

Trabalhadores da Transtejo juntam-se aos da Soflusa na greve parcial em 14 e 15 de julho

24 jun, 2021 - 20:01

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, e Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por ligar o Barreiro à capital.

A+ / A-

Os trabalhadores da Transtejo, empresa que assegura a ligação fluvial entre Lisboa e a margem sul, decidiram juntar-se esta quinta-feira ao protesto da Soflusa, com uma nova greve parcial nos dias 14 e 15 de julho, anunciou a FECTRANS.

"No plenário de trabalhadores da Transtejo ficou aprovado realizar, novamente, dois dias de paralisação parcial, três horas por turno, nos mesmos dias que foram ontem [quarta-feira] aprovados para a Soflusa, que são os dias 14 e 15 de julho", disse José Manuel Oliveira, coordenador da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FECTRANS).

Em declarações à agência Lusa, o dirigente sindical destacou a "participação elevada" dos trabalhadores da Transtejo no plenário realizado esta quinta-feira, das 14h30 às 17h30, que motivou a interrupção temporária do serviço de transporte da empresa.

"A questão central é exigir que a administração cumpra com aquilo que está obrigada do ponto de vista do Acordo de Empresa, que é fazer a revisão salarial todos os anos, e é nesse contexto que, até ao momento, não tivemos qualquer contraproposta relativamente às propostas sindicais", afirmou José Manuel Oliveira.

Neste sentido, a nova greve parcial dos trabalhadores da Transtejo e da Soflusa (duas empresas que têm administração comum) vai realizar-se "com vista a valorizar e a melhorar os salários, conforme está previsto no Acordo de Empresa", indicou o coordenador da FECTRANS.

Devido ao plenário de trabalhadores da Transtejo, as ligações fluviais entre Lisboa e os concelhos da margem sul do rio Tejo, estiveram hoje interrompidas, das 13h00 às 18h30, nas ligações fluviais de Cacilhas, Montijo, Seixal e Trafaria.

Na semana passada, nos dias 16 e 17 de junho, os trabalhadores da Transtejo/Soflusa (TTSL) – as duas empresas de serviço público de transporte fluvial, mas com uma administração comum – estiveram em greve parcial, de três e duas horas por turno, por a empresa manter a sua posição de "aumento de 0%" nas negociações salariais, depois de uma primeira luta em 20 de maio.

A Transtejo assegura as ligações fluviais entre o Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão, no distrito de Setúbal, e Lisboa, enquanto a Soflusa é responsável por ligar o Barreiro à capital.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+