Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Testes em empresas é medida "atrasada", diz especialista em saúde pública

09 jun, 2021 - 19:46 • Redação

Gustavo Tato Borges, vice-presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, afirma que não faz sentido o fim do teletrabalho para pessoas que moram em concelhos de risco mas trabalham fora da área de residência.

A+ / A-

Veja também:


O Governo vai impor testes obrigatórios em eventos culturais, desportivos e familiares e também em empresas com mais de 150 trabalhadores, foi anunciado esta quarta-feira no final da reunião do Conselho de Ministros. No entanto, Gustavo Tato Borges, vice-presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública, duvida da exequibilidade da medida.

Em entrevista à Renascença, o especialista diz ter dúvidas "que isto seja prático e que seja passível de ser feito, porque muitas destas entidades não têm um profissional de saúde para fazer isto aos seus profissionais, quanto mais aos clientes que vão usufruir."

"Vai ser interessante saber como é que a estratégia nacional de testes vai operacionalizar a realização destes testes", disse Tato Borges.

O vice-presidente da Associação Nacional de Médicos de Saúde Pública aplaudiu, apesar de tudo, a medida, e espera que as empresas respondam eficazmente à mudança.

"Houve muitas empresas que não esperaram por esta obrigatoriedade e eu diria que se há alguma empresa em Portugal que não têm este rastreio efetuado, que o implementem agora pelo menos até termos imunidade de grupo e até podermos estar à vontade. Quanto mais depressa se identificar um trabalhador doente, muito mais depressa se vai evitar a disseminação do vírus pela empresa e um surto que pare a empresa. É uma medida de saúde ocupacional e de eficiência no trabalho que todas as empresas que façam o rastreio de forma igual. É uma medida mais do que desejável e um bocado atrasada", afirmou.

No entanto, a medida tem um contorno que se aplica a quatro concelhos. No mesmo anúncio, o Governo informou que quatro concelhos – Lisboa, Braga, Odemira e Vale de Cambra – iam ficar numa fase atrasada do desconfinamento. Nestes concelhos, o teletrabalho continua a ser obrigatório, enquanto que no resto do país passa a ser recomendado.

A obrigatoriedade do teletrabalho aplica-se ao concelho do local de trabalho, pelo que quem reside fora de um dos quatro concelhos de risco mas trabalha nesses locais deixa de estar incluído na obrigatoriedade.

Para Gustavo Tato Borges, a medida "não faz sentido" e "deixa bastante a desejar".

"Eu espero que o Governo renove esta medida e diga que se aplica tanto a quem reside como a quem trabalha em Lisboa. São as duas situações que devem ser minimizadas. Quem mora fora e o seu local de residência tem menos risco, não faz sentido que se vá meter num sítio com mais risco porque trabalha lá; e aqueles que residem num local de maior risco e depois vão para uma zona de menor risco, podem levar a doença para fora. É uma medida que deixa bastante a desejar", critica o especialista.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+