Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Graça Freitas insiste que "correu tudo bem" na final da Liga dos Campeões

04 jun, 2021 - 19:41 • Lusa

Diretora-Geral da Saúde reafirma que Graça Freitas insistiu que a questão relacionada com os adeptos que vieram de Inglaterra e que tinham bilhete comprado esteve “bastante bem controlada”. Só "não esteve a 100%" nos momentos em que não foi observada a distância adequada ou quando não usavam máscara. Mas, de um modo geral, "correu muito bem, estavam testados".

A+ / A-

Veja também:


A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, garantiu esta sexta-feira que “de um modo geral” a final da Liga de Campeões, no Porto, correu “muito bem”, sublinhando que houve dois tipos de públicos, “dois fenómenos” diferentes.

“Um [tipo de público] que teve a ver com os adeptos que vieram dentro de uma organização que foi controlada pela UEFA, pela Federação Portuguesa de Futebol e que teve o contributo do Ministério da Saúde e da Direção-Geral da Saúde, em que nós demos dois pareceres. O outro público, diferente, foi o público dos turistas, e os turistas têm a sua dinâmica própria, são cidadãos que apanharam aviões, vieram para Portugal, entraram em Portugal com teste negativo e depois tiveram o comportamento que se viu”, disse Graça Freitas a jornalistas em Avis, no distrito de Portalegre, no final da apresentação do Plano de Contingência Saúde Sazonal – Módulo Verão 2021.

Graça Freitas insistiu que, “de um modo geral”, a questão relacionada com os adeptos que vieram de Inglaterra e que tinham o seu bilhete comprado esteve “bastante bem controlada”.

“Não esteve a 100% [controlada], houve momentos em que não estiveram na distância adequada ou não estavam com máscara, mas de um modo geral correu muito bem, estavam testados”, assegurou.

A diretora-geral da Saúde, que voltou a apelar para o cumprimento das regras para combater a Covid-19, recordou ainda que já foram efetuados “ensaios pilotos” para o regresso do público ao futebol.

Questionada pelos jornalistas sobre se o regresso do público ao futebol poderá passar pela realização de testes de despistagem, Graças Feitas apenas disse que é um “fator a ponderar”.

A final da Liga dos Campeões, entre Manchester City e Chelsea, decorreu no Porto, num jogo com a presença de adeptos ingleses, que estiveram aglomerados no centro da cidade, a maioria sem cumprir as regras ditadas pela pandemia de Covid-19, como o uso de máscara e o distanciamento físico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    05 jun, 2021 ram 15:12
    Dê o lugar a outro. São muitas asneiras. Pinto da Costa tem razão.
  • Maria Oliveira
    05 jun, 2021 Lisboa 13:12
    Há muito que esta senhora não devia ocupar o cargo. Tem cometido erros graves desde o início da pandemia. Ontem disse que ainda vamos ter COVID "por uns tempos". Não sei o que significa "por uns tempos". Mas deve concluir-se que é uma expressão infeliz, imprópria de uma directora-geral de Saúde, porque desprovida de qualquer base e rigor científicos. Parece que alinha na propaganda do (des)Governo ao pretender demonstrar que a final da taça dos campeões correu bem. Uma infelicidade!
  • Observador
    05 jun, 2021 País 09:54
    Foram enganados, foram usados, foram gozados pela bifalhada e parece que não percebem. Ou se percebem, assobiam para o lado. O Boris só queria um palco para a Champions, mas fora da velha Albion. Uma vez servido, deixámos de ser necessários. Que tal encontrarem o pouco que vos resta de espinha dorsal, e em vez de andarem a cheirar o ... dos Ingleses, procurarem mercados alternativos e trazerem turistas de outros Países, já que a aposta na diversificação da Economia parece ser letra morta, e o que conta é o zé empregadito precário, de toalhinha no braço e espinha curvada, a ganhar o salário mínimo e a servir um bando de velhadas arrogantes?

Destaques V+