Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Governo aplicou medidas de proteção de forma "indevida", alerta Provedora de Justiça

26 mai, 2021 - 20:58 • Lusa

A Provedora já recebeu cerca de uma centena de queixas sobre estes assuntos, sendo que as que dizem respeito à proteção social em situação de isolamento profilático apontam que vários cidadãos “não viram subsidiado pelo ISS a totalidade do(s) período(s) em que esse isolamento lhes foi imposto pela autoridade de saúde”.

A+ / A-

Veja também:


A Provedora da Justiça, Maria Lúcia Amaral, alertou esta quarta-feira o Governo para a “aplicação indevida” de medidas de proteção social na doença e parentalidade, bem como para as dificuldades dos trabalhadores independentes no cumprimento da obrigação contributiva.

“A Provedora da Justiça chamou à atenção do secretário de Estado da Segurança Social [Gabriel Bastos] para duas medidas de proteção social na doença e na parentalidade em situação de isolamento profilático que não estão a ser devidamente aplicadas pelo Instituto da Segurança Social [ISS], bem como para as dificuldades que os trabalhadores independentes enfrentam presentemente no cumprimento da obrigação contributiva”, lê-se num comunicado do gabinete de Maria Lúcia Amaral.

A Provedora já recebeu cerca de uma centena de queixas sobre estes assuntos, sendo que as que dizem respeito à proteção social em situação de isolamento profilático apontam que vários cidadãos “não viram subsidiado pelo ISS a totalidade do(s) período(s) em que esse isolamento lhes foi imposto pela autoridade de saúde”.

Verificaram-se ainda falhas no pagamento do subsídio a partir do 15.º dia, bem como falta de “uniformidade na atuação dos centros distritais do ISS”.

Maria Lúcia Amaral defendeu que estas situações devem ser corrigidas com efeitos retroativos, tendo em conta que o Estado deve ser responsabilizado pelo “prejuízo imposto” aos cidadãos proibidos de trabalhar por razões preventivas.

Relativamente aos trabalhadores independentes, a provedora disse que os respetivos descendentes em isolamento estão também a ser prejudicados no acesso a subsídios de assistência a filho e neto.

“O ISS indefere estes subsídios por entender que não está expressamente prevista na lei a respetiva atribuição a estes trabalhadores”, notou, vincando que esta proteção social não pode ser negada, sendo que, desde 2018, os trabalhadores independentes passaram a poder beneficiar dos subsídios para assistência a filho e a neto do sistema previdencial.

“[…] Excluí-los deste benefício, numa situação de emergência social como a que vivemos no âmbito da pandemia por Covid-19, não faz qualquer sentido”, vincou.

A Provedora chamou também à atenção do secretário de Estado da Segurança Social para a “situação dramática” em que estão muitos trabalhadores independentes, sobretudo, os beneficiários do apoio extraordinário à proteção social, lembrando que, em janeiro, já tinha sido enviado um ofício “com uma chamada de atenção para algumas questões relacionadas com este apoio”.

Conforme apontou, estes trabalhadores estão agora obrigados a pagar contribuições num valor que não reflete o seu atual rendimento.

De acordo com a mesma nota, grande parte destes trabalhadores perspetivava retomar a sua atividade no início do corrente ano, mas, face ao confinamento, teve que voltar a recorrer a apoios extraordinários, “encontrando-se, presentemente, muitos deles, a subsistir com base no valor mínimo de apoio extraordinário ao rendimento do trabalhador (50 euros) e a ser obrigados ao pagamento de 65,75 euros de contribuições”.

Assim, a Provedora da Justiça garantiu serem necessárias novas medidas para evitar o endividamento e comprometimento do “percurso profissional e pessoal no futuro”.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.487.457 mortos no mundo, resultantes de mais de 167,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.022 pessoas dos 846.434 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+