Tempo
|
A+ / A-

Há 61 enfermeiros “em risco de perder emprego” no hospital de Gaia

18 mai, 2021 - 20:21 • Lusa

A denúncia é do sindicato de enfermeiros que garante que estes profissionais foram “ultrapassados”, apesar de terem avaliações positivas.

A+ / A-

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), no distrito do Porto, tem 61 enfermeiros com contratos de substituição “em risco de perder o emprego nos próximos meses”, denunciou o sindicato.

Neste grupo estão enfermeiros que trabalham há um, dois e três anos nesta unidade de saúde, que têm avaliações positivas e que passaram por serviços de resposta à Covid-19, especificou o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR), em comunicado.

Estes enfermeiros foram “ultrapassados” por outros que “apenas acumulando dois contratos covid-19 de quatro meses + quatro meses já passaram a integrar os quadros” do centro hospitalar, sublinhou.

“É uma injustiça para os profissionais que se sentem revoltados”, disse o presidente do SINDEPOR, Carlos Ramalho, citado na nota de imprensa.

O dirigente acrescentou que é preciso encontrar colocação para estes profissionais com contratos de substituição, ainda mais sendo a sua “necessidade incontestável”.

No comunicado, o sindicato revelou que, no âmbito de uma reunião realizada hoje entre esta estrutura e responsáveis do hospital, estes “reconheceram que há enfermeiros com contrato de substituição que podem perder o emprego à medida que os colegas que estão a substituir forem regressando”.

Além disso, os mesmos responsáveis “admitiram a iniquidade desta situação, motivada pelo quadro legal que estão obrigados a cumprir”, ressalvou o sindicato.

A Lusa contactou o centro hospitalar que remeteu esclarecimentos para mais tarde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    18 mai, 2021 Lisboa 19:35
    Já não são precisos, logo ... andor! É assim que as coisas funcionam agora. Em vez de enfermeiros, deviam era ter ido para uma juventude partidária de preferência a do PS: agora eram uns "jotinhas" com tacho garantido, bastando dizer "béu-béu" e lamber a mão do dono...

Destaques V+