Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Investigação

Invenção portuguesa. Cientistas criam verniz que mata bactérias em 15 minutos

17 mai, 2021 - 11:33 • Lusa

A inovação foi desenvolvida por uma equipa multidisciplinar de cientistas de três universidades portuguesas.

A+ / A-

Há um verniz para superfícies que mata bactérias, mesmo as mais resistentes, em apenas 15 minutos. A inovação foi desenvolvida por uma equipa multidisciplinar de cientistas em Portugal.

Trata-se de "uma solução segura e eficaz para prevenir e combater as infeções hospitalares", assegura a Universidade de Coimbra em nota enviada.

Liderada por Jorge Coelho e Paula Morais, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC (FCTUC), a equipa contou também com a participação de investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

"Este novo verniz inteligente com elevada atividade antimicrobiana, que é ativada por ação de luz branca, inócua para o ser humano", foi desenvolvido no âmbito do projeto de investigação "SafeSurf", financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

O projeto, cujos resultados já se encontram publicados na revista científica ACS Applied Materials & Interfaces teve várias fases: primeiro, os cientistas desenvolveram e testaram uma nova geração de polímeros catiónicos com propriedades antimicrobianas contra várias espécies de bactérias; de seguida, procuraram um fotossensibilizador com atividade fotodinâmica à superfície, tendo sido utilizado um composto natural que é produzido por plantas, a curcumina, explicita a UC.

Ao combinar os polímeros catiónicos com a curcumina, os cientistas verificaram que a atividade antimicrobiana dos polímeros aumentou de forma significativa, permitindo matar um maior número de bactérias em menos tempo, como relatam, citados pela UC, Jorge Coelho e Paula Morais.

Perante os resultados obtidos, os investigadores avançaram então para a formulação de um revestimento, relata a UC, indicando que, "com recurso a uma formulação industrial, desenvolveram um verniz de base poliuretano, contendo, pela primeira vez, biocidas poliméricos catiónicos combinados com um fotossensibilizador de curcumina".

A grande inovação, segundo os coordenadores do projeto, reside no facto de se conseguir "incorporar estes dois compostos num verniz de formulação industrial de base poliuretano, utilizando condições industriais, dando ao verniz a inovação da funcionalidade antibacteriana, facilitando assim a sua introdução no mercado".

Sabendo-se que a grande maioria das infeções surge em ambiente hospitalar, Jorge Coelho e Paula Morais salientam que "os revestimentos de superfície inteligentes que apresentam vários mecanismos de atividade antimicrobiana surgiram como uma abordagem avançada para prevenir com segurança esse tipo de infeção".

Assim, acrescentam os especialistas, este novo verniz representa "uma solução eficaz e segura para a prevenção e controlo de infeções nosocomiais [contraídas nos hospitais], uma vez que impede a proliferação das bactérias nas superfícies".

Do ponto de vista científico, "o conceito está provado, ou seja, foi desenvolvido um verniz eficaz e completamente seguro para o ser humano", concluem os dois investigadores da FCTUC, indicando que "é necessário realizar uma avaliação económica do projeto" para que esta solução possa chegar ao mercado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+