Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Pandemia

"Deixei o meu pai nas urgências e nunca mais o vi." 58% dos que perderam familiares em risco de perturbação prolongada

16 mai, 2021 - 10:32 • Lusa

Um grupo de investigadores de quatro universidades portuguesas está a realizar um estudo sobre o impacto no luto das medidas restritivas.

A+ / A-

Os resultados preliminares de um estudo sobre o luto durante a pandemia realizado por investigadores portugueses revelam que 58% das pessoas que perderam familiares durante a pandemia apresentam risco de perturbação de luto prolongado (PLP).

Um grupo de investigadores de quatro universidades portuguesas está a realizar um estudo sobre o impacto no luto das medidas restritivas durante o primeiro estado de emergência devido à Covid-19. Esta análise está a ser realizada por investigadores da Universidade de Lisboa, Coimbra, Minho, Universidade Lusíada de Lisboa e dos agrupamentos de centros de saúde de Gaia e de Espinho/Gaia.

O objetivo é conhecer de que forma as pessoas que perderam alguém próximo durante este período foram afetadas pelas restrições durante o acompanhamento aos doentes em fim de vida, momento da morte, cerimónias fúnebres e rituais de luto e de que forma isso influencia a sua adaptação à perda.

Mayra Delalibera, psicóloga e uma das coordenadoras do estudo explicou que participaram 225 enlutados de Lisboa, Porto, Setúbal, Santarém, Leiria, Évora e Coimbra, que perderam alguém desde o início da pandemia até 2021.

Os participantes eram maioritariamente (85%) do sexo feminino, com uma média de idade de 44 anos e destes 55% viviam no distrito de Lisboa e Vale do Tejo.

Relativamente à perda, 40% dos participantes perderam um dos pais (pai ou mãe), 23% perderam o avô/avó, 9% perderam o cônjuge, 5% perderam um amigo e os restantes 23% perderam algum outro familiar.

A grande maioria referiu sentir-se muito limitado devido as restrições impostas pela pandemia.

Do total de participantes 58% apresentam risco de perturbação de luto prolongado, o que, explicou a investigadora, deveria ser alvo de acompanhamento psicológico uma vez que estas pessoas denotam maior angústia e uma dificuldade em lidar com a perda.

Por outro lado, 78% dos inquiridos consideram que a perda foi um evento traumático como consequência, por exemplo, de não terem estado presentes no momento da morte, de não terem feito o velório e o funeral e por não lhe ter sido permitido ver o corpo.

"Deixei o meu pai nas urgências e nunca mais o vi”. Esta é uma das frases que ouvimos", disse a investigadora.

Contudo, as restrições na fase do cuidar e funeral não estão correlacionadas com sintomas de trauma e risco de luto prolongado, mas o impacto psicológico dessas medidas sim, o que significa que não é o evento em si que é perturbador, é a forma como o indivíduo o experiência.

Segundo o estudo, 66% dos participantes referiram sentirem-se muito limitados em estar presente no momento da morte, 64% em ver e/ou tocar o corpo do falecido, 69% sentiram-se muito limitados em realizar o velório e 75% muito limitados em ter a presença das pessoas que desejavam durante o funeral.

Questionados sobre o apoio que receberam no período de luto, apenas 16% referiram ter recebido algum por parte do médico de família, 25% do psicólogo e 15% de um líder espiritual/ religioso.

Três quartos dos participantes sentiram-se muito limitados em poder visitar o seu familiar e em poder estar presente e acompanhar o fim de vida, 69% sentiram-se muito limitados em despedirem-se do seu familiar, 62% sentiram-se muito limitados na comunicação com o seu familiar, 47% sentiram que não recebiam informação suficiente sobre o estado de saúde do seu familiar e 51% perceberam uma grande limitação para poderem receber apoio dos profissionais de saúde.

A maioria faleceu no hospital (55%), 13% em outras instituições de saúde, 21% em casa, 9% num lar e a principal causa de morte foi doença oncológica (43%).

Segundo o estudo, apenas 17,5% dos falecidos foram diagnosticados com Covid-19.

O tempo médio de luto quando responderam ao questionário era de cinco meses, 98% dos enlutados referiram que tinham uma relação de grande proximidade com a pessoa que faleceu e 73% dos enlutados viviam com a pessoa falecida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+