Tempo
|
A+ / A-

​Depois de Odemira, Pegões. Dezenas de imigrantes “vivem todos ao monte”

14 mai, 2021 - 14:18 • João Cunha , Cristina Nascimento

Presidente da junta de freguesia estima que haja cerca de dois mil imigrantes na zona. Vão trabalhar para Odemira e Comporta e muitos vivem em “armazéns sobrelotados” e “casas esventradas”.

A+ / A-

Dezenas de imigrantes estão a viver sem condições, em casas sobrelotadas na região de Pegões, no concelho do Montijo. São sobretudo indianos e paquistaneses. Dividem espaços onde residem em condições precárias.

“Há aqui de tudo. Pessoas que vivem com condições de habitabilidade, mas há muitos que não. Vivem em armazéns sobrelotados, em casas que foram transformadas e foram esventradas para ampliar o espaço para que eles possam viver e depois vivem todos ao monte”, descreve à Renascença o presidente da Junta de Freguesia de Pegões, António Miguens.

No troço de Pegões para Vendas Novas da EN 4 são perfeitamente visíveis os locais onde residem: quintas abandonadas, com acessos diretos à estrada ou armazéns agrícolas desativados.

E quantos são? “A minha ideia, a minha perceção é que sejam cerca de dois mil. Só em 2020, passámos, aqui na Junta de Freguesia cerca de 1.200 atestados a imigrantes”, diz o autarca.

Estes atestados permite-lhes ter residência, depois de apresentarem um contrato de trabalho - que não cabe à Junta garantir que é ou não cumprido por parte das empresas de trabalho temporário às quais estes trabalhadores estão ligados.

De Pegões para Odemira

Muitos destes trabalhadores vão, todos os dias, de Pegões ao concelho de Odemira. "Vão em viaturas ligeiras de nove lugares, mas também em autocarros fretados que levam daqui os imigrantes para Odemira, para a comporta", conta o autarca.

Muitos dos responsáveis dessas empresas de trabalho temporária criadas à pressa para não perder o negócio, não se preocupam em esconder sinais de riqueza. "Anda montados em bons carros, carros novos. Disseram-me que essa empresa de 300 trabalhadores é liderada por um paquistanês", afirma António Miguens.

O presidente da Junta de Freguesia de Pegões garante que as situações já foram reportadas.

“A Assembleia de Freguesia aprovou uma moção por unanimidade a manifestar as suas preocupações e essa moção foi enviadas para várias entidades oficiais, nomeadamente o Presidente da República, o primeiro-ministro, o ministro da Administração Interna, Autoridade Tributária, SEF”, enumera.

No entanto, até agora António Miguens aguarda por uma resposta à missiva e por uma solução que traga dignidade a todos estes imigrantes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+