Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Odemira: Cabrita destaca eficácia da cerca sanitária e acusa direita de "hipocrisia"

06 mai, 2021 - 16:02 • Lusa

Cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio permitiu baixar os casos de infeção por covid-19 em Odemira para menos de metade, afirma o ministro da Administração Interna.

A+ / A-

Veja também:


A cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio permitiu baixar os casos de infeção por covid-19 em Odemira para menos de metade, afirma o ministro da Administração Interna. Eduardo Cabrita acusa a direita de "hipocrisia".

"A cerca sanitária está a produzir efeitos, porque desde a última semana Odemira tem muito menos de 50% dos casos de infeção do que tinha no dia em que a cerca foi instaurada", afirmou Eduardo Cabrita, especificando que "são 46 casos ativos ontem [quarta-feira], quando há uma semana eram 123".

O ministro defendeu que "é esse o caminho pelo direito à saúde, pelo direito à vida, mas esse direito é para todos, é para os odemirenses lá nascidos e é para os 10 mil cidadãos nascidos noutras terras, da Alemanha ao Nepal, todos iguais, todos com direitos que lá vivam com direito de residência permanente".

As freguesias de Longueira-Almograve e São Teotónio, no concelho de Odemira, estão em cerca sanitária desde a semana passada por causa da elevada incidência de covid-19.


"Este debate que aqui hoje é travado é de facto um debate sobre direitos humanos, é um debate sobre o direito à vida, é um debate sobre o direito à saúde, é um debate sobre o direito ao trabalho com direitos, é um debate sobre o direito à habitação, e de facto o Governo não descobriu Odemira nesta semana. Não estamos como a direita que confunde, faz rimar, pandemia com hipocrisia", criticou Eduardo Cabrita na intervenção no encerramento do debate de urgência requerido pelo PAN sobre a situação dos imigrantes que trabalham nas explorações agrícolas na zona de Odemira, que decorreu na Assembleia da República, em Lisboa.

E garantiu que, "com a mesma frontalidade" com que tem "coordenado a aplicação das medidas de estado de emergência e agora a coordenação das medidas em situação de calamidade que colocam Portugal como o país com os melhores resultados de incidência da pandemia em toda a União Europeia", o executivo não esconde "os problemas reais".

Destacando que o Governo adota "as medidas necessárias" no âmbito da pandemia, o ministro referiu a cerca sanitária em Ovar, "onde foram mobilizadas instalações privadas de hotelaria", a aplicação de medidas diferenciadas em 19 freguesias na zona de Lisboa e as medidas adotadas agora "nos termos da lei de bases da Proteção Civil, defendendo as populações, defendendo o Estado de direito".

O ministro da Administração Interna advogou igualmente que o Governo quer "que os empresários assumam aqui o compromisso de responsabilidade social, que significa que só há futuro para a economia com trabalho com direitos, com direito à habitação".

"E para isso faremos tudo, por Portugal e pelos odemirenses", vincou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Contrato
    06 mai, 2021 Pela cabeça dele 17:16
    Há por aí soldados da fortuna disponíveis?
  • Cidadao
    06 mai, 2021 Lisboa 17:08
    Agora que viram o alarido e o alarme social que expulsar as pessoas de suas casas - pela força bruta de um batalhão de choque armado até aos dentes e acompanhado de cães de ataque - provocou, tentam minorar os danos repetindo até à nausea as condições sociais inumanas - que duram há anos e eles tinham conhecimento mas só ligaram agora que o caso anda a ser falado lá fora - a ver se o autarca de Odemira não apanha com os estilhaços em ano de Eleições - os "sucessos" na diminuição do Covid, a "legalidade" de expulsar pessoas das suas casas para lá meter outras, etc, etc. A falta duma oposição que mantenha o foco no que conta, em vez de deixar o governo fazer campanha, vê-se aqui. As esquerdas, sempre contra a propriedade privada, calam-se. O Chega! refila, mas é um entre 230 deputados. O CDS perdeu a garra depois de ter perdido deputados e o psd não existe.

Destaques V+