Tempo
|
A+ / A-

Justiça

Prisão preventiva para GNR suspeito de perseguir magistrados de Vila Verde

01 mai, 2021 - 00:21 • Lusa

O agente é suspeito de dezenas de crimes contra os magistrados, entre perseguição, injúrias e difamação, depois de uma série de ataques pessoas nas redes sociais.

A+ / A-

O Tribunal de Braga aplicou esta sexta-feira prisão preventiva a um agente da GNR por alegada perseguição, injúria e difamação de uma juíza e dois procuradores do tribunal de Vila Verde, disse fonte judicial à Lusa.

Segundo a fonte, o agente, de 36 anos, foi conduzido à Casa de Reclusão Militar de Tomar.
A atuação do arguido terá tido origem em decisões do Tribunal de Vila Verde, num processo em que esteve envolvido, com as quais não concordou.
Desde então, o agente começou a criticar e a atacar os magistrados nas redes sociais, com palavras alegadamente injuriosas e num registo ameaçador.
Paralelamente, terá ainda passado a frequentar os julgamentos em que aqueles magistrados estavam envolvidos.
É suspeito de dezenas de crimes contra os referidos magistrados, entre perseguição, injúrias e difamação.
Foi detido na quinta-feira e esta sexta-feira uma juíza de instrução criminal no Tribunal de Braga aplicou-lhe prisão preventiva.
O advogado do arguido já disse que vai recorrer para a Relação, por considerar excessiva a aplicação da medida de coação mais gravosa.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    01 mai, 2021 Funchal 12:47
    Não concordo com a prisão preventiva. Vejo outros suspeitos de crimes, mais graves...terem medidas de coação aligeiradas. Enfim, quo vadis justiça.

Destaques V+