Tempo
|
A+ / A-

MAI explica no Parlamento futuro do SIRESP

28 abr, 2021 - 08:30 • Lusa

Eduardo Cabrita diz que está programada “uma reforma profunda", que passa pela integração numa única entidade de tudo aquilo que são sistemas de comunicação no MAI.

A+ / A-

O ministro da Administração Interna é ouvido no Parlamento sobre o futuro da rede de comunicações do Estado (SIRESP), cujo contrato com a Altice termina a 30 de junho.

A audição na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias foi pedida pelo CDS-PP após o presidente da Altice Portugal ter afirmado, a 14 de abril, que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, parecendo que a rede de emergência "vai acabar no dia 30 de junho".

Depois destas afirmações de Alexandre Fonseca, a Altice já se reuniu com a SIRESP SA e com o Ministério da Administração Interna, tendo a empresa apresentado uma proposta técnico-operacional para a prorrogação por 18 meses do serviço da rede de comunicações de emergência SIRESP.

Entretanto, também foi noticiado que o presidente da SIRESP SA, Manuel Couto, no cargo há cerca de um ano, tinha apresentado o pedido de demissão a Eduardo Cabrita, devendo tal acontecer no final do mês de abril.

O ministro já afirmou que o SIRESP vai continuar a funcionar, após 30 de junho, segundo um modelo que "o Governo tem neste momento já em processo legislativo”.

Segundo Eduardo Cabrita, está programada “uma reforma profunda", que passa pela integração numa única entidade de tudo aquilo que são sistemas de comunicação no MAI, nomeadamente a rede nacional e segurança interna, SIRESP e 112.

A Altice Portugal é a fornecedora da operação, manutenção, gestão e também do alojamento de muitos sites do SIRESP.

O Estado comprou por sete milhões de euros a parte dos operadores privados, Altice e Motorola, no SIRESP, ficando com 100%, numa transferência que aconteceu em dezembro de 2019.

Desde essa altura que o Estado tem um contrato com a Altice e Motorola para fornecer o serviço até junho deste ano.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+