Tempo
|
A+ / A-

Em Nome da Lei

Processo Marquês. Bastonário diz que PGR deve explicações ao país

10 abr, 2021 - 08:15 • Marina Pimentel

O bastonário da Ordem dos Advogados interroga-se "como é possível ter sido feita uma acusação que, segundo o juiz de instrução Ivo Rosa , estava mal formulada e com factos prescritos".

A+ / A-
Em nome da Lei - Processo Marquês. Bastonário diz que PGR deve explicações ao país
Em nome da Lei - Processo Marquês. Bastonário diz que PGR deve explicações ao país

A Ordem dos Advogados quer explicações da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre o processo Marquês. "Foi feita uma acusação sem cabimento nenhum", afirma o bastonário Menezes Leitão, em declarações ao programa Em Nome da Lei, da Renascença.

"É preciso que a PGR explique ao país o que aconteceu, porque foi gasto dinheiro dos contribuintes e nos outros países, quando um processo falha, até se prestam contas sobre quanto dinheiro foi gasto."

O bastonário da Ordem dos Advogados interroga-se "como é possível ter sido feita uma acusação que, segundo o juiz de instrução Ivo Rosa , estava mal formulada e com factos prescritos".

Menezes Leitão pergunta: "como é que não se não se viu que os processos estavam prescritos e ainda assim fizeram a acusação? Isto é insustentável, numa acusação ainda por cima de quatro mil páginas e que demorou mais de quatro anos a fazer, temos de perguntar porque razão isto aconteceu".

O juiz Ivo Rosa anunciou, na sexta-feira, que extraiu uma certidão para a Procuradoria-Geral da República averiguar a distribuição do processo da Operação Marquês ao juiz Carlos Alexandre.

O bastonário da Ordem dos Advogados considera "muito grave" a possibilidade de ter havido manipulação na distribuição do Processo Marquês, na fase de inquérito, de forma a que ele fosse parar às mãos do juiz Carlos Alexandre, que acompanha quase sempre as posições do Ministério Público. Até porque não é a primeira vez em que nos últimos tempos há suspeitas de quem Portugal é violado o princípio do juiz natural.


Farpas à acusação e muitas ilibações. O que disse (e decidiu) o juiz Ivo Rosa sobre a Operação Marquês
Farpas à acusação e muitas ilibações. O que disse (e decidiu) o juiz Ivo Rosa sobre a Operação Marquês

No programa Em Nome da Lei da Renascença, Adão Carvalho, o novo presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, desvaloriza as criticas feitas à acusação pelo juiz Ivo Rosa. Até porque a decisão instrutória não é uma decisão definitiva sobre o que segue para julgamento, haverá um recurso do Ministério Público, já anunciado pelo procurador Rosário Teixeira, que coordena a investigação.

Nesse contexto, "qualquer decisão quanto aos crimes de não pronuncia pode vir a ser alterada. É o normal funcionamento da Justiça", conclui Adão Carvalho.

Já Pedro Delile, o advogado de José Sócrates, diz que "foi proferida por Ivo Rosa uma verdadeira sentença de condenação da acusação".

Mas o defensor do antigo primeiro-ministro "mostra-se surpreendido com o facto de o seu cliente ser pronunciado por um crime de branqueamento de capitais. "Não estava a contar, porque não estava na acusação, como como não estava na acusação o crime de corrupção sem ato, com o engenheiro Santos Silva", que no entanto foi também considerado prescrito pelo juiz de instrução ivo Rosa.

Ana Rita Duarte Campos, advogada da área do Direito Penal e do crime económico-financeiro, não acha estranho nem o tom nem o conteúdo da decisão instrutória, "porque o processo penal é isto mesmo, é um direito de muita conflitualidade de argumentos e é muito bom que assim seja porque estamos no âmbito de uma ciência altamente complexa; estamos a falar de criminalidade altamente complexa, muitos factos, muito prolongados no tempo, e uma sucessão de regimes penais diferentes em matéria de prescrição".

Declarações ao programa de informação da Renascença Em Nome da Lei, que este sábado foi dedicado aos últimos desenvolvimento do processo judicial de que José Sócrates é o principal arguido.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    10 abr, 2021 Funchal 16:50
    Ah ok!. O Ministério Público é que falhou, na sustentabilidade da prova e na prescrição de crimes. Os megaprocessos são um atentado à justiça. O Sr Dr Juíz, apenas cumpriu o seu papel. Não vamos julgar uma pessoa por indícios, suposições, ideias...só com provas. Claro que o Engenheiro vive acima das suas possibilidades, agora quem acusa que prove de quem é esse dinheiro e sua origem. É assim que funciona a Justiça e essa petição pública contra o Juíz, compreendo a revolta mas, não faz sentido.
  • Filipe
    10 abr, 2021 évora 12:46
    Foi feita pelo Ministério Público porque quando interessa funciona para povo como uma espécie de Tribunal da Santa Fé fazendo o povo acreditar que ditou a sentença da fogueira . Muita gente em Portugal ainda vive no tempo da Inquisição e muitos preferem ainda os Tribunais de Plenário , detestam viver num Estado de Direito e Democrático .
  • ze
    10 abr, 2021 aldeia 11:39
    Como se engana o Zé Povinho!.......Uma vergonha.....ainda vão ser absolvidos,tudo bons rapazes e ......com direito a pedirem indemnizaçºoes ao "Estado".....a todos nós,mais uma vez,

Destaques V+