Tempo
|
A+ / A-

EUA dizem que Portugal é cada vez mais usado como rota para tráfico infantil

30 mar, 2021 - 22:56 • Redação com Lusa

O Departamento de Estado dos EUA também aponta falhas a Portugal no combate ao trabalho forçado, considerando que prevenção e fiscalização têm recursos inadequados.

A+ / A-

O Departamento de Estado dos EUA aponta Portugal como crescente porta de entrada do tráfico infantil de rotas subsarianas.

"As redes de tráfico subsarianas usam cada vez mais o país como rota para o espaço Schengen para exploração de crianças em tráfico sexual ou trabalho forçado", refere o relatório sobre práticas de direitos humanos em Portugal, tendo por base os dados do Observatório do Tráfico de Seres Humanos.

O Departamento de Estado norte-americano aponta falhas a Portugal no combate ao trabalho forçado, considerando que prevenção e fiscalização têm recursos inadequados. Opaís foi eficaz a aplicar a lei que proíbe todas as formas de trabalho forçado, mas as penas para estes crimes "não são proporcionais às de outros crimes graves".

O relatório refere ainda alertas da sociedade civil para "a necessidade um fortalecimento da monitorização e regulação das agências de trabalho temporário".

Os recursos do Estado dedicados a prevenir o trabalho forçado, incluindo inspeções, assim como para aplicação da lei "permanecem inadequados". Os condenados por crimes desta natureza "conseguem frequentemente evitar a prisão, minando os esforços de fiscalização e de proteção às vítimas", segundo relatos de organizações não governamentais e dos media.

Quanto ao trabalho infantil, o relatório aponta que ocorreu em "casos muito limitados", sobretudo relacionado com a exploração de crianças ciganas na mendicidade ou na coerção para cometer crimes contra a propriedade.

As vítimas de tráfico humano de nacionalidade estrangeira são exploradas nos setores da agricultura, construção e serviço doméstico, enquanto os portugueses são sobretudo explorados na restauração, agricultura e serviço doméstico.

O Departamento de Estado norte-americano considera ainda que a "violência contra as mulheres, incluindo a violência doméstica, continua a ser um problema" em Portugal. São dadas como exemplo sentenças judiciais que atenuam penas a agressores com base em julgamentos morais sobre o comportamento das vítimas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+