Tempo
|
A+ / A-

Queixas por discriminação racial aumentaram 50% em 2020

19 mar, 2021 - 17:28 • Lusa

No ano passado foram apresentadas um total de 655 queixas por práticas discriminatórias "em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem".

A+ / A-

As queixas por discriminação racial apresentadas na Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR) aumentaram 50% no ano passado face a 2019, anunciou hoje a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade.

"Registou-se neste período de pandemia um aumento de 50% de queixas ou denúncias", disse Rosa Monteiro na apresentação do Plano de Prevenção de Manifestação de Discriminação nas Forças de Segurança.

Segundo a secretária de Estado, em 2020 foram apresentadas na CICDR um total de 655 queixas por práticas discriminatórias "em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem".

Rosa Monteiro salientou que este aumento de queixas tem sido uma tendência nos últimos sete anos, sendo "demonstrativa da maior literacia de direitos e também de uma maior confiança nesta comissão, cuja atuação foi reforçada em 2017".

No entanto, sustentou, estes números "continuam a não ser representativos" e são "conhecidas as baixas taxas de denúncias".

"Infelizmente são muitas as situações de discriminação que permanecem invisíveis", afirmou.

Como exemplos, referiu a vizinha de uma cidadã chinesa que sempre que a ouvia a chegar ou a sair de casa lhe chamava "o vírus da china", os anúncios de arrendamentos de casas só para portugueses, perseguições em supermercados de pessoas ciganas ou afrodescendentes, escaladas de discursos de ódios e de falsas notícias nas redes sociais contra pessoas ciganas e muitos registos de injúrias utilizando expressão "vai para a tua terra".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+