Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Autotestes para Covid não substituem profissionais, complementam

19 mar, 2021 - 21:26 • Filipe d'Avillez

Os testes não podem ser feitos nos pontos de venda e os resultados positivos ou inconclusivos devem ser comunicados imediatamente às autoridades de saúde.

A+ / A-

Veja também:


Os autotestes para a Covid-19, que podem ser realizados pelo próprio e fornecem resultados imediatos, não substituem os testes profissionais, mas podem ser usados como complemento, no sentido de controlar a propagação do Coronavírus.

Numa circular conjunta das diversas autoridades de saúde explica-se que os autotestes “não substituem, mas complementam” os testes profissionais.

A circular inclui uma série de recomendações para diferentes setores, incluindo profissionais de saúde, empresas fabricantes de autotestes e os civis, ou “leigos”, que passam a poder fazer os testes.

“Os dispositivos destinados a autoteste SARS-CoV-2 apenas podem ser disponibilizados a leigos nas unidades do sistema de saúde, em farmácias e em locais de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica autorizados”, lê-se.

O documento adverte que os testes são menos fiáveis que os profissionais e clarifica os comportamentos a assumir em caso de resultado positivo ou inconclusivo.

“No contexto da utilização por iniciativa própria dos autotestes SARS-CoV-2, um resultado positivo ou inconclusivo deve ser comunicado diretamente por contacto telefónico ao Centro de Contacto SNS24 (808 24 24 24) ou através do preenchimento de formulário eletrónico a ser criado oportunamente para o efeito.”

“No âmbito da utilização em contextos específicos, a comunicação desse resultado pode ser efetuada, alternativamente, ao médico assistente ou de saúde ocupacional/medicina do trabalho” e ainda “independentemente do contexto em que seja efetuado o teste, o reporte de obtenção de um resultado positivo deve ser acompanhado sempre que possível de informação relativa à identificação comercial do autoteste (marca), fabricante e código identificativo do lote do teste utilizado.”

Na circular lê-se ainda que os testes devem ser produzidos de forma a garantir a facilidade do seu uso, mas que estes não podem ser usados nos pontos de venda.

A disponibilização dos autotestes “tem particular relevância para o controlo de cadeias de transmissão, designadamente no contexto da reabertura gradual e sustentada de determinados setores de atividade, estabelecimentos e serviços”, lê-se.

“Assim, e uma vez que o acesso da população aos referidos testes, enquanto medida de proteção da saúde pública, não se coaduna com o uso exclusivo por profissionais, importa adequar os necessários procedimentos nacionais em causa, permitindo a realização do teste pelo próprio”, afirma ainda a circular.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+