Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Metade das instituições de voluntariado suspenderam ações presenciais

17 fev, 2021 - 21:30 • Lusa

O inquérito realizado pela CPV, representante de entidades que dependem do voluntariado, teve resposta de 54 instituições, que reúnem mais de 100 mil voluntários.

A+ / A-

Veja também:


A Confederação do Voluntariado (CPV) revelou esta quarta-feira que metade das instituições voluntárias que responderam a um inquérito tiveram que suspender atividades presenciais e passar a dar apoio à distância devido à pandemia.

O inquérito realizado pela CPV, representante de entidades que dependem do voluntariado, teve resposta de 54 instituições, que reúnem mais de 100 mil voluntários.

Os resultados, divulgados pela CPV em comunicado, mostraram que do total das respostas, 27 instituições, por grande parte dos voluntários serem grupos de risco à Covid-19, tiveram de suspender, parcialmente, as ações de ajuda, apostando mais em atividades de apoio distância, por computador ou telefone.

As restantes 27 instituições que também responderam ao questionário, mantiveram-se em plena atividade, sendo que destas 32% realizaram ações nos domínios do voluntariado de proximidade online, no combate ao isolamento social; 25% na prestação de cuidados de saúde; 21% no apoio a estudantes, no desenvolvimento de atividades artísticas e de animação social; 18% na angariação e distribuição de bens e 4% em apoio à empregabilidade e atividade económica.

As iniciativas voluntárias ocorreram em todos os distritos de Portugal continental e nas regiões autónomas dos açores e da madeira.

A CPV, que atualmente representa mais de 600 mil voluntárias e voluntários, pretende atualizar os resultados do inquérito dentro de três meses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+