Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Refinaria de Matosinhos

Trabalhadores da Petrogal Matosinhos manifestam-se dia 25 frente à Câmara do Porto

15 fev, 2021 - 21:39 • Lusa

Sindicato quer perceber o que pensa Rui Moreira sobre o fecho do complexo da Galp em Leça da Palmeira, "que vai afetar não só o concelho de Matosinhos, mas toda a região Norte".

A+ / A-

Os trabalhadores da refinaria da Galp em Matosinhos, que deverá encerrar até final do ano, vão protestar frente à Câmara Municipal do Porto a 25 de fevereiro, revelou à Lusa fonte do sindicato.

A concentração, que compreende a realização de um plenário de trabalhadores, está agendada para 25 de fevereiro, às 14h30, frente à Câmara Municipal do Porto, disse Telmo Silva, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente (SITE) do Norte e da comissão de trabalhadores.

O sindicalista explicou que o objetivo é "ouvir" o presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, sobre o fecho do complexo petroquímico que vai afetar não só o concelho de Matosinhos, onde está sedeada, mas toda a região norte.

"Já pedimos reunião com o presidente Rui Moreira e, até agora, nada. Está calado sobre o assunto", afirmou.

Telmo Silva criticou o facto de o independente ainda não ter defendido publicamente a refinaria, sendo ele um "defensor do Norte".

A Galp anunciou em dezembro de 2020 a intenção de concentrar as suas operações de refinação e desenvolvimentos futuros no complexo de Sines e descontinuar a refinação em Matosinhos este ano.

A decisão põe em causa 500 postos de trabalho diretos e 1.000 indiretos, conforme estimativas dos sindicatos.

Telmo Silva adiantou que a empresa continua sem dar respostas aos trabalhadores, nem a apresentar soluções.

"Ainda não apresentou qualquer plano até ao momento", acrescentou.

Depois de um plenário de trabalhadores junto à Câmara Municipal de Matosinhos a 12 de janeiro, estes manifestaram-se a 2 de fevereiro em frente à sede da Galp e à residência do primeiro-ministro, António Costa, em Lisboa.

O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+