A+ / A-

Reportagem

​Combate à Covid. Robot português testa desinfeção de ar e superfícies em hospital

15 fev, 2021 - 09:13 • Vítor Mesquita

Ainda está em fase de testes, mas pretende afirmar-se como um instrumento de futuro. A partir do CEiiA, em Matosinhos, um robot é trabalhado para eliminação de vírus e bactérias.

A+ / A-

Veja também:


“Temos os sensores de segurança, temos câmaras para fazer a visão, o reconhecimento de obstáculos. Temos a componente do ar e depois a componente das lâmpadas UV- C. Tudo o resto é aquilo que faz mexer um robot – motores, baterias. Ele ainda vai mudar um pouco de aspeto, este é apenas o 'concept' e depois vamos para o produto final”. As palavras são de Luís de Matos, 34 anos, na apresentação, à Renascença, do mais recente projeto da startup Follow Inspiration. Um robot que purifica ar e desinfeta superfícies. Uma criação que se enquadra no atual contexto de combate à Covid-19.

O responsável lembra que dirige “uma empresa de robótica e, portanto, dentro dessa filosofia e olhando para o que estava a acontecer no panorama nacional, mas também mundial tínhamos de fazer alguma coisa. A ideia que surgiu, dentro das nossas skills, foi encontrar um projeto que pudesse vir a ajudar no combate à pandemia”.

Nasceu, por isso, um robot que combina tecnologia UV, com um purificador de ar e navegação autónoma. Um autómato que faz uma cobertura de desinfeção de 360º, movimenta-se em rotas pré-definidas, pode circular entre pessoas ou de forma isolada, no caso de ativar a luz UV-C. O espírito é o mesmo de outras criações da empresa, “interferir o menos possível com o dia-a-dia do local onde opera”, revela Luís de Matos.

Nas últimas semanas, a unidade piloto realizou testes no Hospital de Santo António, no Porto - um parceiro do projeto. Está, nesta altura, a eficiência da desinfeção, mas os resultados preliminares são positivos. “Já podemos dizer que nas duas componentes, ar e superfícies, há algum impacto. Fizemos testes sem robot e recolhemos dados. Depois com robot durante dez, vinte e depois com trinta minutos, para perceber o impacto ao longo do tempo”. Os resultados são animadores, mas o responsável admite, contudo, que vai ser necessário “refinar mais um pouco, a escala não estava 100% correta, quisemos adicionar mais alguns elementos”, para tornar o aparelho mais eficaz.

Apesar de estar ainda numa fase de testes, é já muito claro como se pretende que funcione. As ordens são programadas e, por exemplo, “durante o dia, anda junto de pessoas a desinfetar o ar, sozinho entre elas, consegue detetá-las. Portanto, quando nós lhe dizemos, agora vai para aquela sala – e ele tem isto tudo pré-programado -, e desinfeta superfície e ar, ele, quando entra, faz um varrimento para perceber se há ou não pessoas. Se não houver liga as lâmpadas UV - C e faz o seu trabalho. Ele sabe quanto tempo tem que lá estar. Em cinco minutos consegue desinfetar um espaço de 20/30 metros quadrados. É muito rápido. E se entrar alguém ele consegue detetar e desligar as lâmpadas sem qualquer risco associado”.

O fundador da startup Follow Inspiraton, com sede no Fundão e a operar no Centro de Engenharia e Desenvolvimento, em Matosinhos, o Ceiia, espera a consolidação dos resultados dos testes, para dar início à produção exclusivamente nacional do UV Robot. Sublinha que se trata de um excelente exemplo da importância da investigação e da tecnologia aplicada à realidade quotidiana.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+