Tempo
|
A+ / A-

Morreu o tenente-coronel Marcelino da Mata, um dos militares mais condecorados

11 fev, 2021 - 16:27 • Lusa

Marcelino da Mata, natural da Guiné-Bissau, tinha 80 anos e foi um dos fundadores dos Comandos.

A+ / A-

O tenente-coronel na reforma Marcelino da Mata, um dos militares da guerra colonial mais condecorados, morreu esta quinta-feira, vítima de Covid-19, no Hospital Amadora-Sintra, disse à agência Lusa fonte oficial do Exército.

Marcelino da Mata, natural da Guiné-Bissau, tinha 80 anos e foi um dos fundadores da tropa de elite "Comandos", sendo conhecido nos meios militares como um dos mais "bravos e heróicos" combatentes lusos, especificamente nas então colónias ultramarinas.

Após a Revolução do 25 de Abril e do fim da Guerra Colonial foi proibido de voltar à sua terra natal, entretanto independente país de origem, e viu-se obrigado ao exílio, em Espanha, até ao contra-golpe do 25 de Novembro, que terminou com o Processo Revolucionário Em Curso (PREC).

Foi o militar mais condecorado de sempre do Exército, segundo o ramo. Em 1969, foi armado cavaleiro da "Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito", após ter subido sucessivamente de patente, desde soldado a major.

Entre as mais de 2.000 missões de combate em que participou, naquele que é considerado dos teatros de operações mais difíceis da Guerra Colonial, contam-se as emblemáticas: Operação Tridente, o resgate de mais de uma centena de militares lusos no Senegal e a Operação Mar Verde.

Marcelino Mata reformou-se em 1980 e foi ainda promovido a tenente-coronel em 1994. Foi ainda responsável pela segurança da Universidade Moderna, encerrada compulsivamente pelo Governo do socialista José Sócrates, assim como a cooperativa Dinensino, por falta de viabilidade económico-financeira, após vários escândalos e processos judiciais.

CDS pede funeral de Estado para Marcelino da Mata

O presidente do CDS-PP lamentou a morte do tenente-coronel Marcelino da Mata e reivindicou luto nacional e um funeral de Estado, considerando que o país “deve-lhe a homenagem que em vida nunca lhe prestou”.

Em comunicado, Francisco Rodrigues dos Santos assinalou “com profundo pesar” a morte do tenente-coronel Marcelino da Mata, um dos militares da guerra colonial mais condecorados.

“Portugal deve-lhe a homenagem que em vida nunca lhe prestou”, explicitou o dirigente dos centristas, razão pela qual o partido “reclama luto nacional e funeral de Estado” para Marcelino da Mata.

Francisco Rodrigues dos Santos também prestou uma “sentida homenagem” ao Regimento de Comandos do Exército e à Associação de Comandos, pelos “inestimáveis serviços, fundamentais para as liberdades, direitos, regras e instituições que formam e enformam o Estado de Direito”, assim como pelo “exemplo de valores e de coragem” para a população do país.

“A sua coragem perdurará na memória de todos nós”, concluiu o presidente dos democratas-cristãos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+