Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

​Boné português garante distanciamento social

02 fev, 2021 - 08:02 • Sandra Afonso

Uma empresa nacional criou o “Smart Cap”, um chapéu com alertas sonoros e luminosos que disparam quando alguém se aproxima a menos de dois metros. Já têm pedidos no país e no estrangeiro.

A+ / A-

Veja também:


Se um destes dias começar a ouvir sons de alerta, como se fosse bater no para-choques de alguém, e luzes ao nível dos olhos, não se assuste. Poderá ser um aviso do novo boné inteligente, de que está a menos de dois metros de outra pessoa, de alguém portador do novo “Smart Cap”.

A ideia não é nova e até já foi executada, ainda que de forma rudimentar, por um infantário em Portugal. A diferença, desta vez, está na tecnologia integrada pelo laboratório português Jack The Maker.

À primeira vista, parece um boné banal, não fossem os sensores de proximidade, “que quando alguém se aproxima num raio de dois metros de distância alerta, quer visualmente quer sonoramente”, explica à Renascença Tiago Alvorão, diretor criativo e fundador da tecnológica portuguesa.

Na prática, quando a distância mínima obrigatória é ultrapassada, a luz led na pala do chapéu dispara o alerta e é acionado um aviso sonoro progressivo, semelhante aos dos sistemas de assistência ao estacionamento nos automóveis.

Tiago Alvorão defende que “estamos há demasiado tempo numa cultura de medidas e soluções muito pouco interessantes”, daí esta iniciativa.

“É também trazer para as pessoas um bocadinho de originalidade, para que possam socializar de forma segura”, sublinha.

O protótipo está concluído e o laboratório português Jack The Maker já está a aceitar encomendas, mas só trabalha para marcas. São elas que vão definir o preço de venda ao público.

“Estamos a aceitar encomendas de marcas, o que significa que são sempre grandes encomendas, o mínimo que estamos a aceitar são 200 unidades. O preço fica por volta dos 25 a 35 euros, depende depois das encomendas”, diz Tiago Alvorão.

Já há interesse, dentro e fora do país, por estes bonés inteligentes. Segundo o director criativo, “pelo número de pedidos que nos têm feito, quer a nível de preço, quer a nível de disponibilidade, já percebemos que temos aqui um potencial interessante para levar até ao consumidor final”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    03 fev, 2021 Ílhavo 08:03
    [Os do pescoço e das orelhas poderiam mesmo ter tamanhos diferentes.] Sobretudo pela novidade e animação de qualquer das soluções, e com a actual adesão entusiástica ao confinamento, imagino mesmo as nossas ruas cheias de gente, com ou sem polícia, [e, (quem sabe?) porventura até alguém muito bem colocado e importante a concluir que "somos o povo mais criativo do mundo!"]
  • José J C Cruz Pinto
    02 fev, 2021 Ílhavo 14:16
    Ou então, ruído por ruído, a muito mais baixo preço, ... que tal uns guizos bem sonoros ao pescoço ou nas orelhas?
  • José J C Cruz Pinto
    02 fev, 2021 Ílhavo 12:41
    Não seria mais prático e menos ruidoso um boné com uma pala maior e a toda a volta?
  • Júlio Gomes
    02 fev, 2021 Viana do Castelo 08:16
    Hospital do Senhor do Bonfim . Agora Trofa Saúde Inorme e parece parado. Em Vila do Conde.

Destaques V+