Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Vacinação Covid. Primeira fase prolongada até abril

28 jan, 2021 - 12:36 • Cristina Nascimento

Responsável pelo plano de vacinação revelou ainda que, até ao momento, Portugal recebeu 367 mil doses da Pfzier e 8.400 da Moderna e que é esperada para amanhã a aprovação da vacina da Astrazeneca.

A+ / A-

Veja também:


O coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19, Francisco Ramos, revelou que a primeira fase deste processo vai ser prolongada até abril.

Em conferência de imprensa, Francisco Ramos revelou que já há 74 mil pessoas com o esquema vacinal completo e garante que o processo está a decorrer "conforme o previsto", fazendo "um balanço altamente positivo" do primeiro mês de excecução do mesmo.

Ramos revelou que, no universo dos lares e das unidades de cuidados continuados existem 200 mil pessoas para serem vacinadas, dos quais 164 mil já receberam a primeira dose e 30 mil ainda não receberam a primeira dose por existir um surto da doença. "Há 205 entidades com surtos, 191 lares e 14 em unidades de cuidados continuados", disse o responsável.

Francisco Ramos adiantou ainda que, até ao momento, foram identificadas 1.332 reacções adversas à vacina, por exemplo, tumefação do braço e dor de cabeça, não existindo, no entanto, “nenhuma notificação de reações que não estivesse prevista". O responsável adiantoou que o valo de 0,65 reações adversas por 100 vacinados é um valor que está "em linha" com os dados provisórios do resto da Europa.

O responsável revelou ainda que, até ao momento, Portugal recebeu 367 mil doses da Pfizer e 8.400 da Moderna. Francisco Ramos acrescentou ainda que é esperada para amanhã a aprovação da vacina da Astrazeneca por parte da Agência Europeia do Medicamento.

Nesta conferência de imprensa, Ramos explicou que está prevista a entrega em Portugal de 1,5 milhões de doses das duas vacinas já aprovadas durante o primeiro trimestre do ano e cerca de cinco milhões no segundo trimestre.

No total, estão já contratualizadas quase 30 milhões de doses das vacinas. "Não vão faltar vacinas aos portugueses", garantiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo Eu
    28 jan, 2021 País 18:00
    Se a 1ª fase vai ser prolongada, o que terá como consequência imediata o atraso de todas as outras fases, então não haverá imunidade de grupo nem 70% de população vacinada até ao Verão. E acredite quem quiser, que após a reformulação da 1ª fase, para incluir a malta politica toda e mais 340 000 idosos com mais de 80 anos, ao mesmo tempo que Pfizer e AstraZeneca já avisaram que não vão entregar as doses contratualizadas - então a quebra de contrato da Astra ronda os 60%! - acredite quem quiser que o calendário de vacinação vai cumprir-se e não haverá atrasos. Depois são as constantes notícias de oportunistas a passar à frente na vacinação. É isto, um plano de vacinação a correr bem?
  • Maria Oliveira
    28 jan, 2021 Lisboa 13:43
    O plano de vacinação não está a correr bem e foi mal concebido. Em primeiro lugar, os idosos com mais de 80 anos não foram considerados prioritários. Só depois de muita pressão é que o plano foi revisto para incluir este grupo etário que, no entanto, ainda não começou a ser vacinado. Em 2.º lugar, muitas pessoas que sofrem de patologias de risco não serão vacinadas atempadamente porque não têm médico de família e o centro de saúde desconhece a sua situação clínica. Em 3.º lugar, já são conhecidos vários casos de abuso, de pessoas que foram vacinadas à frente dos prioritários. Que se saiba, não se apuraram responsabilidades, nem houve quaisquer sanções para quem infringiu as regras. Por último, descontados certos titulares de órgãos de soberania, afigura-se deverem ser vacinados, prioritariamente, os profissionais de saúde que estão na frente da assistência aos doentes COVID. Enfim, desejar que tudo corresse bem, no estrito cumprimento da moral e das regras, é uma utopia. Como sempre, tudo corre mal. Quando o chefe (primeiro-ministro) é mau, tudo daí para baixo é também mau, à sua imagem e semelhança.

Destaques V+