Tempo
|
A+ / A-

Coronavírus

Covid-19. Técnicos de emergência pré-hospitalar criticam falta de coordenação do INEM

22 jan, 2021 - 14:49 • Lusa

O sindicato considera que o acumular de ambulâncias em fila, durante horas, nas urgências dos hospitais prejudica a capacidade de assistir outros doentes.

A+ / A-

Veja também:


O sindicato dos técnicos de emergência pré-hospitalar criticam a falta de coordenação que faz com que as ambulâncias se acumulem nas urgências dos hospitais e diz que já propôs equipas de reforço, mas não recebeu resposta.

Em declarações à agência Lusa, Rui Lázaro, do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar, adiantou que já esta sexta-feira o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM pode decidir enviar o doente para outra unidade que não a da área de residência e, por isso, diz não entender porque se insiste no envio para hospitais que deixam o doente à espera várias horas no exterior.

“Não se entende como, perante este acumular de ambulância nas urgências de alguns hospitais, não se faz o contacto com outras unidades e não se encaminha o doente para outras unidades. Mesmo que fosse para fora da região, a viagem era mais demorada, mas, ainda assim, o doente era atendido mais cedo”, afirmou.

Para o responsável, “o CODU sabe quando as ambulâncias estão à espera em filas, logo, deveria coordenar o envio para outros locais”, sobretudo porque a maioria das urgências hospitalares "atendem doentes com patologia respiratória".

“Depois, se fosse o caso de um doente que tivesse de ser tratado noutro local, pelo menos era estabilizado e depois transferido. Já acontece agora pois há doentes internados, que com a pressão e falta de capacidade dos hospitais, são transferidos até de Lisboa para o Porto e vice-versa”, acrescentou.

Para responsável sindical, o acumular de ambulâncias em fila, durante horas, nas urgências dos hospitais “faz com que estejam retidos não só os veículos, que poderiam estar a fazer outros serviços, como os técnicos, que estão ali à espera e poderiam igualmente assistir outros doentes”.

Rui Lázaro diz que o sindicato já fez, há cerca de duas semanas, ao INEM, com conhecimento da Secretaria de Estado, um pedido de esclarecimento, manifestando-se disponível para colaborar na constituição de equipas de reforço, “sobretudo nas zonas mais afetadas, como o Centro e o Sul, mas até ao momento não teve resposta.

Em comunicado, o sindicato já tinha considerado que "os acontecimentos que têm vindo a público nos últimos dias [filas de ambulâncias com doentes] revelam a falta de preparação do INEM", considerando que enviar ambulâncias para hospitais onde já existem outras retidas releva "impreparação e inação", além de colocar em risco a vida dos cidadãos transportados, bem como de quem sofre de um acidente ou de doença súbita e possa vir a precisar de recorrer à emergência médica".

A Lusa questionou o INEM sobre todas as matérias referidas pelo sindicato, mas até ao momento o instituto não respondeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+