Tempo
|
A+ / A-

Doentes com alergias graves não devem tomar vacina da Covid-19, diz Sociedade de Alergologia

23 dez, 2020 - 11:25 • Redação

SPAIC salienta que, de acordo com as informações dos reguladores europeus e norte-americanos, as reações alérgicas à nova vacina são “eventos raros”, mas devem ser tomadas precauções.

A+ / A-

Veja também:


A vacina Pfizer-BioNTech para a Covid-19 "não deve ser administrada a doentes com antecedentes de reações alérgicas graves a vacinas", defende a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC).

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, a SPAIC salienta que, de acordo com as informações dos reguladores europeus e norte-americanos, as reações alérgicas à nova vacina são “eventos raros”, mas devem ser tomadas precauções.

A SPAIC considera que a relação risco-benefício da nova vacina seja avaliada por um imunoalergologista, “nos casos de anafilaxia prévia a medicamentos, alimentos, latex, venenos de himenópteros e ainda nos casos de anafilaxia idiopática, síndromes de ativação mastocitária e imunodeficiências primárias”.

As vacinas para o SARS-CoV-2 “só deverão ser administradas em Unidades de Saúde onde existam profissionais devidamente treinados e meios adequados para o tratamento de eventuais reações alérgicas”, defende a sociedade.


Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?
Como funcionam as vacinas e como nos protegem do novo coronavírus?

Deverá também ser respeitado um período de vigilância de 30 após a administração da vacina para a Covid-19.

A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica sublinha que, apesar da informação clínica disponível sobre os casos em que terão ocorrido reações alérgicas suspeitas à vacina Pfizer-BioNTech para a Covid-19 “ser ainda muito limitada, não se supõe existir um risco acrescido de efeitos adversos à vacina em doentes asmáticos, com rinite alérgica ou com eczema”.

A SPAIC manifesta disponibilidade para colaborar com a Direção-Geral da Saúde (DGS), Infarmed e com os coordenadores do Plano de vacinação contra a Covid-19 para investigar todos os doentes com reações alérgicas graves às vacinas para o SARS-CoV-2.

Os efeitos adversos da vacina contra a Covid-19 são “muitíssimos ligeiros além de serem raros”, garantiu na terça-feira o diretor do Departamento da Qualidade na Saúde da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Valter Fonseca referia-se, em conferência de imprensa, à nova vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, que vai começar a ser administrada em Portugal, no domingo, dia 27.

Valter Fonseca reforça que “todas as vacinas testadas manifestaram elevadíssimos níveis de segurança” e a informação aos portugueses será transparente.


Evolução da Covid-19 em Portugal

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    24 dez, 2020 Funchal 12:54
    Não é bem assim. Tudo é necessário, tem de ser um conjunto de medidas e claro que os vírus não desaparecem, nós é que temos de ter cuidado e proteção.
  • Filipe
    23 dez, 2020 évora 13:01
    Este vírus só se trava isolando todos os contactos , confinamento sério . As vacinas existentes são como apanhar as moscas com vinagre . Este vírus , a continuar assim em Portugal a desbanda , ficará durante dezenas de anos .

Destaques V+