Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Cruz Vermelha

Nova administração do Hospital da Cruz Vermelha assume funções "de imediato"

16 dez, 2020 - 19:14 • Lusa

Francisco Ramos, que foi secretário de Estado da Saúde e coordena o plano nacional de vacinação contra a Covid-19, é o novo presidente da Comissão Executiva do Hospital da Cruz Vermelha. Manuel Teixeira, também antigo secretário de Estado da Saúde, integra a Comissão Executiva. Francisco George continua como presidente do Conselho de Administração.

A+ / A-

O Hospital da Cruz Vermelha elegeu, esta quarta-feira, em assembleia-geral, o novo Conselho de Administração, que integra dois antigos secretários de Estado da Saúde, Francisco Ramos e Manuel Teixeira e entra em funções de imediato.

Francisco Ramos, atual coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19, é o novo presidente da Comissão Executiva do Hospital da Cruz Vermelha.

Manuel Ferreira Teixeira, atual presidente da Comissão de Auditoria do Montepio, integra, como vogal, a comissão executiva, que inclui também Donato Ramos, médico e presidente da Associação de Socorros Mútuos João de Deus, Catarina Baptista, investigadora e administradora hospitalar e Carlos Rodrigues da Silva, gestor nomeado pela ParPública, a entidade gestora das participações do Estado.

O provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Edmundo Martinho, foi eleito para o cargo de presidente do conselho de administração do hospital, sem funções executivas.

A assembleia-geral do Hospital da Cruz Vermelha, realizou-se no seguimento da compra pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) de 55% do capital da Sociedade Gestora do Hospital da Cruz Vermelha, formalizada na segunda-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+