Tempo
|
A+ / A-

TAP. PS afasta necessidade de votar plano na AR e de Orçamento Retificativo

09 dez, 2020 - 18:30 • Lusa

“Viemos de aprovar um orçamento que prevê garantias de Estado no caso de ser necessário injetar dinheiro publico na TAP. Está afastada, neste momento, a hipótese de um Orçamento Retificativo”, diz Ana Catarina Mendes.

A+ / A-

A líder parlamentar do PS defendeu esta quarta-feira que “não há necessidade” de votar o plano de reestruturação da TAP na Assembleia da República, e afastou, para já, que seja preciso um Orçamento Retificativo.

Em declarações aos jornalistas, no parlamento, depois de uma reunião com o Governo sobre o plano de reestruturação da TAP, Ana Catarina Mendes foi questionada sobre a posição do presidente do PSD, Rui Rio, que considerou que levar a votos este documento seria “uma fuga do Governo às responsabilidades”.

“Para o grupo parlamentar do PS é muito clara a nossa posição: este é um plano de reestruturação cuja competência é do Governo, há necessidade de o Governo prestar contas ao parlamento sobre aquilo que está a fazer, não há necessidade de um plano de reestruturação de uma empresa estratégica como a TAP ser votado no parlamento”, afirmou.

Ana Catarina Mendes frisou que essa decisão “não cabe ao grupo parlamentar do PS”, mas reiterou que a posição da sua bancada é que “não faz sentido que esta discussão venha ao parlamento”.

A líder parlamentar do PS afastou também, pelo menos no imediato, que o plano em cima da mesa obrigue a um Orçamento Retificativo, como tinha afirmado hoje o CDS-PP.

“Viemos de aprovar um orçamento que prevê garantias de Estado no caso de ser necessário injetar dinheiro publico na TAP. Está afastada, neste momento, a hipótese de um Orçamento Retificativo”, afirmou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+