Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ana Gomes toma vacina da gripe trazida de França por uma amiga. Infarmed diz que é ilegal

02 dez, 2020 - 09:54 • Olímpia Mairos

Candidata presidencial justifica o ato com o facto de estar “farta de esperar disponibilidade em farmácia”.

A+ / A-

A candidata à Presidência da República Ana Gome tomou a vacina para a gripe que lhe foi entregue por uma amiga de França. A informação é dada pela própria, através da rede social Twitter.

“Farta de esperar disponibilidade em farmácia, onde me inscrevi em setembro, acabei de tomar vacina contra a gripe, trazida por amiga de França”, escreve Ana Gomes.

A candidata presidencial acrescenta que neste processo o “pior de tudo foi ouvir de farmacêutica que há vacinas, mas reservadas para certas pessoas de certas empresas, que as compraram” e, por isso, questiona: "Como é que é, Direção Geral de Saúde?”.

Segundo o jornal "Observador", a ação vai contra as regras do Infarmed, uma vez que é proibido trazer medicamentos do estrangeiro para consumo próprio, bem como a obrigatoriedade de receitas médicas para quem se desloca com medicamentos do estrangeiro para Portugal.

“A importação de medicamentos para uso próprio pelos utentes não tem suporte legal e acarreta riscos para a saúde dos consumidores. Podem não estar garantidas as condições de segurança”, lê-se na nota.

A candidata à Presidência da República referiu que a vacina foi administrada numa farmácia e que a registaram como vacinada, sem lhe indicarem que a situação era ilegal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luís Mártires
    02 dez, 2020 Lisboa 21:56
    Na realidade, a socialista Ana Gomes, ao cometer essa ilegalidade, acabou por provar que o socialismo de António Costa, que também é apregoado pela criminosa, não funciona, pois se funcionasse a candidata às eleições presidenciais não teria de recorrer a uma vacina por "portas e travessas". São as "maravilhas" do socialismo...
  • atento
    02 dez, 2020 aveiro 17:21
    Ilegal, é o facto de haver ainda pessoas por vacinar . A vacina comum contra o virus Influenza, é uma importante proteção, sobretudo para Idosos e pessoas Immunodéficientes e de r isco elevado. Não hesitaria a recorrer a solução que esta Sra. escolheu. Todos sabemos que un estado gripal mal tratado pode evoluir para uma Pneumonia, muitas das vezes fatal para essas Pessoas mais frágeis. Portanto sim ....fez bem em tomar outra medida, e obter a vacina por outro meio !
  • Jota
    02 dez, 2020 aqui 15:41
    Tentou contornar as prioridades. Esta mulher não presta!
  • Joaquim
    02 dez, 2020 aqui 15:01
    Não tem vergonha na cara! Se sem poder tenta contornar as normas, imaginem se tivesse poder!
  • David Gomes
    02 dez, 2020 Porto 14:42
    Exma Sra Dra Ana Gomes Com o devido respeito, que é muito, cometeu um erro crasso. Não se pode admitir que uma candidato à PR de Portugal use os seus amigos no estrangeiro para obter benefícios que os comuns cidadãos de Portugal não conseguem. E depois, a vacina vinda do estrangeiro foi grátis, ou pagou-a, ou ficou a dever algum favor à sua amiga francesa, é que a Sra é uma digna defensora da não corrupção, e esta sua atitude parece não se enquadrar com estas pensamentos anti corrupção. DG
  • Joao Oliveira
    02 dez, 2020 Edinburgo 12:45
    Aos olhos das autoridades, so somos Europeus na hora de receber (seja turistas, fundos, apoios, etc) alguma coisa. Qual e o problema do Infarmed em ter medicacao importada de outros paises da Uniao Europeia? Compreendo a questao das receitas, da necessidade de haver um profissional de saude envolvido no processo, mas nao tem que ser necessariamento Portugues! Os standards em teoria sao semelhantes. Sera o medo da concorrencia? De as pessoas terem a possibilidade de expandir o seu leque de opcoes, tratamentos e precos, e em alguns casos, perceberem que a importacao sai mais vantajosa?

Destaques V+