Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Centro Hospitalar Médio Tejo suspende férias a todos os profissionais até 31 de janeiro

18 nov, 2020 - 20:01 • Redação com Lusa

Medida entra imediatamente em vigor e abrange um universo de cerca de dois mil médicos, enfermeiros e assistentes operacionais dos hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas.

A+ / A-

Veja também:


O Conselho de Administração (CA) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT) suspendeu esta quarta-feira temporariamente as férias aos cerca de dois mil profissionais, uma medida válida até 31 de janeiro e que entra imediatamente em vigor.

Em comunicado, o CA do CHMT, que abarca as unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, no distrito de Santarém, afirma ser "absolutamente indispensável e essencial, no particular momento em que nos encontramos, proceder à adoção de uma medida de caráter excecional e temporária de suspensão do gozo de férias", medida tomada "no âmbito da situação atual de Estado de Emergência e em virtude dos condicionalismos hospitalares e de saúde pública".

A medida, igualmente transmitida aos profissionais de saúde através de uma Circular Normativa, é justificada "pelo Despacho n.º 10921/2020, de 03 de novembro, da ministra da Saúde" e à necessária "prontidão integral de toda a capacidade e de todos os recursos existentes no Serviço Nacional de Saúde, na lógica em que este constitui uma única rede de prestação de cuidados à globalidade da população residente em território nacional".

No final da semana passada, a Renascença já tinha noticiado que vários profissionais do SNS têm estado a ser informados de que terão de adiar as férias que tinham marcadas este ano, face a esta segunda vaga da pandemia de Covid-19.

Nesse sentido, segundo o CHMT, esta "medida excecional" surge no sentido de "adequar os meios humanos necessários para fazer face às especificidades estruturais e assistenciais que se consideram fundamentais", tendo em conta "o aumento do número de infeções decorrentes do surto pandémico do vírus SARS-CoV-2" e ao "número de óbitos".

Na circular, a que a agência Lusa teve acesso, pode ler-se que esta medida "comporta necessariamente uma garantia de prontidão e eficácia da resposta dos serviços do CHMT, E.P.E., na prestação de cuidados a doentes infetados por SARS-CoV-2/Covid-19 e maximizando, ainda, a capacidade de prestação de cuidados de saúde a todos os outros doentes não Covid-19, implicando um esforço coletivo de todos os profissionais".

Com entrada imediata em vigor e até ao dia 31 de janeiro de 2021, a Circular Normativa especifica, igualmente, que "a presente determinação não prejudica a aplicação de quaisquer regras sobre a aquisição do direito a férias, designadamente relativas ao seu posterior gozo e duração".

No CHMT, os dados de hoje indicam que, das 86 camas disponíveis para doentes Covid-19, 72 estão ocupadas. Dessas, 69 por pessoas internadas em enfermaria e três na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI). Em situação limite, o CHMT pode ir até às 197 camas para doentes Covid-19.

Portugal registou 5.891 novos casos de infeção com o novo coronavírus e 79 mortes associadas à doença Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgado hoje.

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 3.632 mortes e 236.015 casos de infeção pelo novo coronavírus, estando hoje ativos 78.641 casos, mais 1.555 do que na terça-feira.

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população na ordem dos 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+