Tempo
|
A+ / A-

​Fenprof protesta contra o Orçamento na Assembleia da República

26 out, 2020 - 15:19 • Manuela Pires

A Federação Nacional dos Professores considera que a proposta do Governo não valoriza a educação e deixa de fora a resolução de muitos problemas que afetam os professores e as escolas.

A+ / A-

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) marcou para a próxima quinta-feira uma concentração junto à Assembleia da República para protestar contra o Orçamento de Estado para a área da educação.

Em conferência de imprensa, Mário Nogueira avisou esta segunda-feira que vão ser colocadas faixas com mais de 15 metros onde vão estar escritas as reivindicações da Fenprof.

“A proposta de Orçamento do Estado não valoriza a educação, não apresenta soluções para o envelhecimento dos professores e insiste em caminhos errados como a municipalização e a dependência de fundos comunitários” referiu Mário Nogueira.

O Orçamento para 2021 contempla um aumento de 500 milhões de euros para a educação, face ao ano passado, mas Mário Nogueira diz se “deve apenas à inclusão dos fundos europeus, o que no passado não acontecia”.

A proposta de Orçamento do Estado levanta muitas dúvidas à Fenprof, que não percebe como é que, “apesar do ministro da Educação anunciar o reforço de professores e de assistentes operacionais, há uma redução nas verbas de despesa com trabalhadores”, sublinha o secretário-geral da Fenprof.

Outra questão levantada pela federação dos sindicatos de professores prende-se com o envelhecimento e a falta de docentes nas escolas. Segundo os dados da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciências, perto de 13% dos professores têm mais de 60 anos de idade. Mário Nogueira diz que o “Orçamento reconhece que são necessárias medidas, mas não diz mais nada”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+