Tempo
|
A+ / A-

Segurança Rodoviária

Um em cada 3 condutores autopsiados tinham álcool e 13% drogas

09 out, 2020 - 11:45

Relatório tem por base dados obtidos com base nos exames realizados pelo Instituto de Medicina Legal.

A+ / A-

Um em cada três condutores autopsiados no ano passado tinha taxas de álcool no sangue iguais ou superiores a 0,5 g/l. Já 13,3% revelaram a presença de drogas, segundo um relatório divulgado pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Este documento apresenta os dados obtidos com base nos exames realizados pelo Instituto de Medicina Legal, 37% dos condutores autopsiados tinham taxas de álcool no sangue (TAS) iguais ou superiores a 0,5g/l, valor apenas semelhante às percentagens verificadas em 2010 e 2012.

Este aumento foi particularmente significativo face a 2018 (30,8%).

O mesmo documento indica que 13,3% dos condutores autopsiados em 2019 revelaram a presença de substâncias estupefacientes ou psicotrópicas, uma subida de 1,7 pontos percentuais relativamente ao ano anterior.

O relatório referente aos exames toxicológicos realizados pelo Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) em 2019 indica também que as percentagens de casos com TAS igual ou superior a 1,20g/l (considerado crime) entre as vítimas mortais com TAS superior a 0,5g/l foram de 79,0% (condutores), 71,4% (peões) e 64,3% (passageiros).

No ano passado, "nos exames efetuados a intervenientes em acidentes de viação e na fiscalização de condutores, registaram-se 60,9% de casos com TAS =0,50g/l", refere o relatório, acrescentando que "essa percentagem assumiu para os condutores e para os peões os valores de 62,6% e de 38,8%, respetivamente".

O documento conclui ainda que 10,3% dos exames efetuados às vítimas mortais revelaram a presença de substâncias estupefacientes ou psicotrópicas. No caso dos condutores e dos peões, a percentagem de testes positivos foi de 13,3% e 5%, respetivamente.

Contudo, a percentagem de exames positivos entre as vítimas mortais (10,3%) foi inferior ao verificado no ano anterior (14,5%), mas no caso dos condutores a tendência inverteu-se, com um aumento em 2019 (13,3%) face ao ano anterior (11,6%).

No total de casos positivos entre vítimas mortais, as substâncias predominantes foram os canabinóides (3,4%), refere o relatório, que sublinha também a associação de álcool e drogas (4,4%).

No total, 6,5% dos condutores que morreram revelaram uma associação de substâncias psicotrópicas com álcool.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+