Tempo
|
A+ / A-

Comboios com amianto na Linha do Minho? CP garante carruagens limpas até dezembro

15 set, 2020 - 15:26 • Lusa

Composições foram compradas à Renfe para a ligação internacional entre as cidades do Porto e Vigo, na Galiza.

A+ / A-

A CP – Comboios de Portugal esclareceu esta terça-feira que a remoção do amianto em 36 das carruagens compradas à Renfe estava prevista no plano de recuperação daquele material e que todas elas estarão descontaminadas até à primeira semana de dezembro.

Em causa está uma notícia avançada pelo Jornal Económico, com base numa outra do La Voz de Galicia, que refere que o conjunto de comboios usados adquiridos pela CP à espanhola Renfe “envolvem um risco acrescido devido ao facto de entre os seus materiais se contar o amianto”, tendo sido essa a razão que levou a Renfe a abandonar a operação daquelas composições, entre a Galiza e o País Basco.

Em resposta à agência Lusa, a CP explica que a existência de amianto em algumas das carruagens foi assumida pela CP desde a compra do material à Renfe.

“De facto, 36 das carruagens compradas tinham amianto e estava desde logo previsto no plano de recuperação a sua descontaminação”, sublinha a empresa.

Neste momento, segundo a CP, já foram descontaminadas e certificadas 12 daquelas carruagens, duas estão em fase de descontaminação e “as 36 ficarão limpas até à primeira semana de dezembro”.

A descontaminação das carruagens em causa está a ser feita por uma empresa certificada para este tipo de trabalhos, com o aval da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), numa área separada da Oficina de Reparação de Material Circulante, assegura a CP.

No final da cada descontaminação é emitido, para cada carruagem, um relatório de medição da concentração de fibras em suspensão no ar por um Laboratório Especializado no controle de Fibras e um certificado livre de amianto por carruagem pela empresa responsável pela descontaminação, acrescenta.

PSD exige explicações

O PSD de Viana do Castelo exigiu explicações ao Governo sobre a presença de amianto em comboios comprados pela CP à operadora espanhola Renfe para a ligação internacional entre as cidades do Porto e Vigo, na Galiza.

"Precisamos de saber se esta notícia se confirma e se havia conhecimento na altura da sua aquisição, pois estas carruagens irão circular na Linha do Minho entre Valença e Porto. A ser verdade, o que justificou esta aquisição", questiona o líder da distrital social-democrata, Olegário Gonçalves, na nota enviada à imprensa.

O presidente da distrital de Viana do Castelo pretende ainda saber "se foram tomadas medidas para salvaguardar as pessoas e se a saúde dos viajantes está garantida, e se está prevista alguma intervenção nas composições".

"A ser verdade esta notícia, queremos uma garantia cabal sobre se os alto-minhotos podem realmente confiar na salubridade deste transporte", sustentou.

1,65 milhões de euros para a Linha do Minho

No dia 06 de julho, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, anunciou, durante uma visita ao Parque Oficinal de Guifões, concelho de Matosinhos, que as primeiras carruagens do pacote de 51 compradas pela Comboios de Portugal (CP) à espanhola Renfe por 1,65 milhões de euros destinam-se à Linha do Minho e vão estar a funcionar entre dezembro e janeiro.

"A aquisição de material circulante disponível em Espanha faz parte de um esforço de curto prazo para fazer face às necessidades dos portugueses. A CP com 1,65 milhões de euros comprou 51 carruagens [usadas] que novas custariam [cada uma] mais de um milhão de euros", destacou o governante.

Segundo Pedro Nuno Santos, o investimento total, contando com a requalificação, poderá rondar os sete a oito milhões de euros e as carruagens vão estar ao serviço das linhas de intercidades e regionais, podendo circular a 200 quilómetros por hora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+