Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Ensino Superior

Católica anuncia aprovação do curso de Medicina

02 set, 2020 - 00:21 • Tiago Palma , Eunice Lourenço

Depois de ver a acreditação de uma formação em Medicina ser reprovada pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior em dezembro, a reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, afirma que a nova decisão é “um grande dia para o sistema científico nacional”.

A+ / A-

A reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, anunciou terça-feira à noite, através da rede social Twitter, que aquela instituição privada de ensino superior viu o seu curso de Medicina ser “acreditado pela A3ES [Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior”.

“É um grande dia para o Ensino Superior e para o sistema científico nacional”, conclui Isabel Capeloa Gil na publicação.

A Católica pode vir a ser, desta forma, a primeira universidade privada em Portugal a ter um curso de Medicina.

Em dezembro, a Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior reprovou o pedido de acreditação de uma formação em Medicina pela Universidade Católica, acatando os dois pareceres negativos que recebeu – um da comissão de avaliação de peritos nomeada pela agência e um segundo da Ordem dos Médicos.

Então, a Católica questionou a legalidade do chumbo e acusou a agência de "violar o princípio leal da concorrência". “A agência extravasa as suas competências de avaliação, assumindo uma postura regulatória que apenas cabe ao Governo", criticou a Universidade Católica.

A instituição apresentou recurso daquela decisão e entregou uma nova proposta de acreditação, que deveria ser analisada até junho. Mas a decisão, anunciada pela reitora da Universidade Católica, chega só em setembro.

A polémica envolvendo a formação em Medicina no privado é já antiga. Meses antes do chumbo da agência, em julho de 2019, o primeiro-ministro António Costa criticou publicamente o exercício dos poderes regulatórios de algumas ordens profissionais, em especial a dos médicos, para restringir a concorrência e limitar o acesso à formação, considerando que tal impede a resposta às carências existentes.

Precisamente um ano volvido da posição do primeiro-ministro, e já depois do chumbo e recurso da Católica, o presidente da Agência para a Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, Alberto Amaral, referiu à Renascença que se preparava para anunciar “em breve” as decisões relativas a três projetos para a criação de cursos de Medicina por universidades privadas (Universidade Católica, Universidade Fernando Pessoa e Cooperativa de Ensino Politécnico).

Segundo Alberto Amaral, os processos aguardavam o parecer da Ordem dos Médicos, que pedira um adiamento por causa da pandemia de Covid-19. E alertava o presidente da agência: “Espero que a Ordem dos Médicos também não demore muito, senão teremos de avançar sem o seu parecer”.

Também em julho deste ano, o diretor da comissão instaladora da Faculdade de Medicina na Universidade Católica Portuguesa, António Almeida, lembrava que o parecer da Ordem dos Médicos não é vinculativo e dizia à Renascença que se o curso fosse aprovado pela A3ES, o mesmo poderia para avançar já no próximo ano letivo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Teixeira
    02 set, 2020 MAIA 14:28
    Grande dia para começar a acabar com o controlo elitista da classe média. Esperamos e desejamos que uma escola seja instalada no Porto.
  • Parabéns
    02 set, 2020 14:24
    Parabéns à Universidade Católica por não ter desisitido, por ter remado contra ventos e marés, e principalmente contra os interesses instalados. Faltam médicos em Portugal. Os hospitais públicos estão cheios de médicos estrangeiros porque aos jovens portugueses não foi dada a oportunidade de se formarem nessa área. É um enorme passo no progresso deste país.

Destaques V+