Tempo
|
A+ / A-

Rendas excessivas da EDP. Artur Trindade ouvido pelo segundo dia

21 ago, 2020 - 11:46 • Marta Grosso com redação

Antigo secretário de Estado da Energia é suspeito suspeita de ter favorecido a EDP em troca de benesses para si e para o seu pai. Advogado não crê que sejam anunciadas já as medidas de coação.

A+ / A-

Já está em tribunal o ex-secretário de Estado da Energia Artur Trindade. É o segundo dia de interrogatório no âmbito do processo conhecido como rendas excessivas da EDP.

Artur Trindade está a ser ouvido pelo juiz Carlos Alexandre. É suspeito de corrupção passiva relacionada com a contratação do seu pai pela EDP como troca de favores.

À entrada para o tribunal, o advogado José António Barreiros disse esperar que não seja um dia longo de interrogatório e não se mostra surpreso pelo seu cliente voltar a ser ouvido.

“O que é surpresa é o que vem aí. Vamos ver”, respondeu aos jornalistas, adiantando que “não crê” que sejam hoje conhecidas as medidas de coação.

O caso das rendas excessivas da EDP levou o juiz Carlos Alexandre a decretar a suspensão de funções de António Mexia, presidente da empresa (constituída arguida em 13 de julho), e de João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis.

Carlos Alexandre concordou ainda com outras medidas de coação propostas pelo Ministério Público relativas ao pagamento de uma caução e proibição de contactos entre arguidos.

Em causa estão alegados benefícios de 1,2 mil milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    21 ago, 2020 16:23
    Vendem a EDP ao estado chinês e depois admiram-se...

Destaques V+