Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

"Jovens? A questão aplica-se a todos". Marcelo avisa que, "se for necessário", medidas vão endurecer

21 jun, 2020 - 17:51 • Redação com Lusa

De acordo com o Presidente da República, esta é a “fase de tentar apelar e dissuadir”. “Se há minorias, qualquer que seja a idade, que criam problemas à generalidade dos portugueses e não cumprem as regras, terá de se aplicar as regras e o rigor será tanto maior quanto mais for a necessidade de ser rigoroso”, considerou Marcelo Rebelo de Sousa.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avisou este domingo que esta é a fase de dissuadir e apelar, mas que se for necessário serão tomadas medidas para determinadas localidades ou “mais duras” para impedir ajuntamentos devido à pandemia.

Em declarações aos jornalistas no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, antes de assistir ao concerto comemorativo do 28º aniversário da Orquestra Metropolitana de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre o que será preciso fazer para sensibilizar os jovens para não adotarem comportamentos de risco, como as recentes festas.

“A questão aplica-se aos jovens - eu falei nos jovens porque eles podem ser um bom exemplo -, mas aplica-se a todos. Na medida em que for necessário, se for muito necessário, terá de se aplicar medidas proporcionais ao que é necessário”, respondeu.

De acordo com o Presidente da República, esta é a “fase de tentar apelar e dissuadir”.

“Mas é evidente que se houver casos pontuais, específicos, em que haja necessidade de tomar medidas para determinadas localidades ou áreas de freguesias ou haja necessidade de tomar medidas mais duras em termos de intervenção das autoridades para impedir ajuntamentos e para responsabilizar por ajuntamentos, multiplicam-se as participações ao Ministério Público e as pessoas percebem - os jovens e não jovens - percebem que começam a ter um problema grave em cima dos seus ombros”, avisou.

Na perspetiva de Marcelo Rebelo de Sousa todos percebem que se está a fazer “uma abertura com cuidado, com cautela para não prejudicar a generalidade dos portugueses”.

“Se há minorias, qualquer que seja a idade, que criam problemas à generalidade dos portugueses e não cumprem as regras, terá de se aplicar as regras e o rigor será tanto maior quanto mais for a necessidade de ser rigoroso”, considerou.

Marcelo apoia o que for preciso para “impedir descontrolo” em Lisboa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assegurou hoje que apoiará o que o Governo decidir depois da reunião com os autarcas da região de Lisboa, naquilo “que for necessário fazer para impedir o descontrolo” do desconfinamento.

No Centro Cultural de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre que restrições podem vir a ser implementadas para a região de Lisboa, para impedir o aumento de contágios de covid-19.

“Esperem pela reunião de amanhã. Amanhã [segunda-feira] há uma reunião envolvendo o senhor primeiro-ministro, que preside, a senhora ministra da Saúde, a senhora diretora-geral da Saúde, os autarcas, eles vão certamente dizer aquilo que se passa e aquilo que entendem que é necessário”, afirmou.

Na perspetiva do chefe de Estado, “se for entendido necessário, as autoridades sanitárias tomarão as medidas adequadas e se for necessário o poder político tomará medidas adequadas”.

“Aquilo que o Governo entender na base da posição dos autarcas e, sobretudo, do juízo das autoridades sanitárias que deve ser feito, eu acompanho atentamente e só posso apoiar aquilo que for necessário fazer para impedir o descontrolo de um processo que tem vindo a ser cuidadosamente controlado”, defendeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Oliveira
    21 jun, 2020 20:01
    Como é evidente, tudo assentou numa manobra de propaganda, destinada a glorificar os "governantes" responsáveis pelo "milagre" português. Durante os meses de Março e Abril não havia testes em número suficiente e, por isso, havia poucos infectados. Agora, há mais testes e os números são o que se vê. E a culpa é de quem organiza festas. Mas estes "governantes" vão a espectáculos no Campo Pequeno; celebram o 25 de Abril numa sala cheia sem máscaras e ufanam-se de ter aqui os jogos da Taça dos Campeões. Não merecem qualquer credibilidade. Somos um pobre País com problemas graves, aos quais ninguém com responsabilidade presta atenção. O que interessa é o circo montado para distrair a população. E a propaganda, sempre a propaganda.

Destaques V+