Tempo
|
A+ / A-

Crime em Peniche. Suspeitos da morte da criança vaiados à chegada ao tribunal

12 mai, 2020 - 11:19 • Lusa

O resultado preliminar da autópsia à criança aponta para uma morte violenta, com lesões na cabeça e indícios de asfixia.

A+ / A-

"Assassinos". Os dois suspeitos da morte da criança de nove anos, em Peniche, chegaram ao Tribunal de Leiria, esta manhã, tendo à sua espera cerca de 40 pessoas que os vaiaram.

O pai e a madrasta da menina, suspeitos da sua morte, chegaram pelas 10h41 ao Tribunal de Leiria, onde vão ser ouvidos por um juiz de instrução para a aplicação das medidas de coação.

Nas traseiras do tribunal estavam cerca de 40 pessoas, que não se cansaram de lhes chamar "assassinos", tendo a polícia tentado evitar que os populares se aproximassem dos suspeitos.

Uma criança foi dada como desaparecida na quinta-feira de manhã, depois de uma denúncia do pai no posto da GNR de Peniche.

As buscas contaram com o envolvimento de "mais de 600 elementos ativos, numa área percorrida de sensivelmente quase quatro mil hectares, palmilhada mais do que uma vez em alguns locais", referiu o comandante da GNR de Caldas da Rainha, Diogo Morgado, numa conferência de imprensa, no domingo.

Depois de cerca de três dias de buscas, a PJ de Leiria deteve, no domingo, o pai e a madrasta da vítima, cujo corpo foi encontrado numa mata na Serra D'el Rei, no concelho de Peniche, distrito de Leiria, coberto por arbustos.

O resultado preliminar da autópsia à criança aponta para uma morte violenta, com lesões na cabeça e indícios de asfixia.

Se alguma destas agressões resultou na morte ou as duas situações em simultâneo ainda não é conhecido, uma vez que as causas da morte só serão confirmadas depois de exames laboratoriais.

Este ainda não é o relatório final da autópsia, mas apenas um exame preliminar.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    12 mai, 2020 évora 14:20
    Talvez o André tenha razão em fundar novamente a prisão perpétua para estes crimes , pois com a atual lei , ao fim de 16 anos estão cá fora . Mas o curioso é o não cumprimento do Código Processo Penal pelas autoridades , pois a reconstituição do crime pela PJ obedece a regras de Publicidade e talvez seja por haver brandura em Portugal , somam depois à pena principal a pena Popular .

Destaques V+