Tempo
|
A+ / A-

Porto. Pavilhão Rosa Mota passa a "Hospital de Missão" com 300 camas

31 mar, 2020 - 12:41 • Lusa

Este "hospital de retaguarda" servirá para acolher os doentes com poucos sintomas de Covid-19 ou até assintomáticos, principalmente os "idosos institucionalizados", que foram retirados de lares.

A+ / A-

Veja também:


A partir da próxima semana, o Pavilhão Rosa Mota, no Porto, passará a funcionar como "Hospital de Missão". Com 300 camas, servirá para acolher doentes com poucos sintomas de covid-19 ou até assintomáticos sem "retaguarda familiar".

"Trata-se da criação, em poucos dias, de um hospital que chamamos de 'Hospital de Missão' e que servirá sobretudo para doentes pouco sintomáticos ou assintomáticos, que não tenham retaguarda familiar", afirmou Nuno Santos, adjunto do presidente da Câmara do Porto.

Em declarações aos jornalistas, à margem da visita ao Pavilhão Rosa Mota que, na próxima semana "pode entrar em funcionamento" enquanto hospital de "retaguarda", Nuno Santos salientou que a gestão hospitalar caberá "à secção regional do Norte da Ordem dos Médicos".

No pavilhão estão, por estes dias, e com a ajuda do exército português, a ser montadas "27 enfermarias no piso superior e algumas enfermarias e salas de contenção no piso inferior", num total de 300 camas.

Nuno Santos salientou que esta é uma das "respostas" que a autarquia encontrou para mitigar as necessidades dos hospitais da cidade, nomeadamente do Centro Hospitalar Universitário do Porto e do Centro Hospitalar de São João, com quem colabora neste projeto.

"Os hospitais reportaram-nos a necessidade de termos este 'backup' aqui que nos permite atuar de um dia para o outro e começar a responder aquilo que são as necessidades. Falámos com os hospitais 10 vezes ao dia e, portanto, tem havido essa colaboração, a Câmara do Porto aqui que tem feito é encontrar respostas para os hospitais", sublinhou.

Aos jornalistas, Nuno Santos explicou ainda que este "hospital de retaguarda" servirá para acolher os doentes com poucos sintomas de covid-19 ou até assintomáticos, principalmente os "idosos institucionalizados", que, necessitarão sobretudo de cuidados de enfermagem.

"A maior parte dos utentes que aqui estiver, vai ter de ter muitos mais cuidados de enfermagem, do que propriamente médicos. São os doentes ainda muito assintomáticos ou com sintomas ligeiros que vão estar neste espaço, que, agravando-se a sua situação de saúde, estamos a dois minutos ou três do Hospital de Santo António", explicou.

Inicialmente pensado para funcionar como centro de acolhimento de idosos que tenham de ser deslocalizados dos lares da cidade, o Pavilhão Rosa Mota assume agora a função de "hospital de missão", uma vez que a Diocese do Porto disponibilizou o Seminário de Vilar para tal efeito.

Portugal regista, esta terça-feira, 160 mortes associadas à covid-19, mais 20 do que na segunda-feira, e 7.443 infetados (mais 1.035), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+