Tempo
|
A+ / A-

Miúdos em casa? Ensino gratuito à distância em tempo de coronavírus. Saiba como fazer

13 mar, 2020 - 10:00 • Maria João Costa

Porto Editora e Leya disponibilizam de forma gratuita o acesso a conteúdos educativos digitais para professores e alunos durante o período sem aulas.

A+ / A-

A esta hora já pensou o que fazer aos miúdos, sem escola, e quase um mês em casa? Perante a perspetiva de umas longas férias saiba que há na internet respostas para si. Dois dos principais grupos editorais, responsáveis por muitos dos manuais escolares dos seus filhos, já pensaram nisso e dão uma ajuda.

Leya e Porto Editora emitiram comunicados sobre os conteúdos digitais gratuitos disponíveis para professores e alunos. Para responder a esta período crítico em que todos os esforços estão empenhados em conter a disseminação do Covid-19 e com as escolas fechadas, as duas editoras apostam em disponibilizar conteúdos educativos digitais para professores e alunos

Durante o período de suspensão das aulas por causa do novo coronavírus, a Leya abriu o Banco Aula Digital. É gratuito para docentes e estudantes “de forma a permitir que o ensino à distância seja facilitado”, mesmo para os que não usam manuais do grupo editorial, explica a nota.

Este livre acesso para alunos do 1º ao 12 os anos de escolaridade vai permitir, indica o comunicado da Leya que os professores atribuam “tarefas, testes e quizes ou enviar recursos aos alunos, para que estes possam dar continuidade, rever e/ou consolidar os conhecimentos”. Para facilitar esta nova dinâmica, os professores “têm também acesso ao Banco de Recursos de todos os anos e disciplinas disponíveis na Aula Digital”. O acesso faz-se pelo “login” na plataforma Aula Digital.

Quanto aos alunos, diz a Leya em comunicado “devem ativar o código da sala que o professor lhes disponibiliza podendo, assim, comunicar, ver vídeos, animações, sínteses ou mesmo realizar testes interativos.”

Também a Porto Editora anuncia o acesso gratuito à Escola Virtual para 1,5 milhão de alunos. A medida, explica o grupo do Porto “visa ajudar alunos e professores a manterem ligação durante o período de pausa letiva forçada”. O acesso para “todos os alunos dos ensinos básico e secundário” faz-se através da “ plataforma de e-learning Escola Virtual” .

Este acesso excecional “vigorará durante esta pausa letiva” explica o comunicado enviado esta manhã, menos de 24 horas depois do Governo ter decretado o encerramento das escolas. A Porto Editora indica ainda para os professores “que também têm acesso gratuito – poderão organizar aulas, propor exercícios para consolidação e revisão de matérias e partilhar os conteúdos com os seus alunos por simples email.”

Como aceder? A Porto Editora explica: “os alunos ou os encarregados de educação só têm de proceder a um registo simples, em que apenas é necessário identificar o estabelecimento de ensino e o ano de escolaridade”, já os professores “podem criar na plataforma as suas turmas, agilizando o processo de partilha de conteúdos existentes na Escola Virtual ou mesmo conteúdos personalizados, com a possibilidade de monitorizarem todo o trabalho dos seus alunos através de tarefas.”

À distância de um clique, garante a Porto Editora, vai estar na retaguarda a “equipa pedagógica da Escola Virtual” que acompanhará o processo e “dará todo o apoio necessário, tendo já disponíveis vídeos sobre as principais funcionalidades da plataforma, estando também a selecionar conteúdos curriculares que serão pertinentes em contexto, tais como Replicação de um vírus ou Higiene e prevenção de doenças infeciosas.”

Recorde-se que segunda-feira entra em vigor a medida decretada ontem pelo Governo que prevê a suspensão de todas as atividades letivas presenciais por causa do surto de Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Em todo o mundo, o novo coronavírus já infetou mais de 134 mil pessoas, em mais de 120 países e territórios, e provocou mais de 4.900 mortes.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+