Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Reportagem

Coronavírus em Portugal. ​“Não adianta fechar tudo e não fechar as escolas”

12 mar, 2020 - 13:31 • Cristina Nascimento

Escolas a nível nacional mantêm-se abertas. Pais não concordam e lidam com dificuldades de organizar o seu dia a dia.

A+ / A-

Veja também:


Lisboa, 12 de março de 2020. Às 9h00, à porta de uma escola, tudo parece um dia normal. Pais que deixam as crianças e saem apressados para o trabalho. Mas não é um dia normal. Os estabelecimentos de ensino públicos a nível nacional continuam abertos, mas no Agrupamento das Laranjeiras, em São Domingos de Benfica, a Junta de Freguesia suspendeu as atividades extra-curriculares e a componente de apoio à família que permite que as crianças entrem mais cedo e fiquem até mais tarde.

“Hoje tem de vir buscá-la às 16h00”, avisam junto ao portão as assistentes operacionais da Escola António Nobre.

Muitos pais não entendem porque é que as escolas não fecharam e porque é que esta, em particular, está a funcionar a meio-tempo. “A gestão é difícil. Quem tem que trabalhar todos os dias, é difícil gerir a logística com metade da escola fechada”, desabafa à reportagem da Renascença Cristiano José, pai de um aluno do 1.º ano.

Aparentemente tranquila, Maria Fernanda despede-se da sua filha que anda no jardim de infância. “As pessoas estão muito assustadas, estão histéricas. Faltam coisas no mercado, não é preciso tanto, mas toda a precaução é válida”, diz esta mãe que não esconde o que gostaria que acontecesse: o fecho das escolas.

“Não adianta fechar tudo e não fechar as escolas”, diz.

Cristiano José não revela diretamente se defende ou não o encerramento das escolas. Para ele, ponto assente é que as decisões devem ser concertadas.

“A minha opinião sobre isto é que a decisão deve ser nacional e quem deve tomar deve ser os responsáveis pela saúde. As decisões não devem ser tomadas ‘ad hoc’... Cada um está a fazer o que quer, eu não concordo com isso”, diz.

Outra mãe, Inês Furtado, alinha no mesmo tom. “Parece que estão à espera que haja algum caso na escola para poderem fechar. As nossas crianças estão um bocado em risco”, lamenta.

E se as escolas fecharem? “Não sei como nos vamos organizar. Fechando, temos de ficar em casa com eles”, garante Inês.

E se as escolas não fecharem, já pensou tirar os filhos da escola por sua iniciativa? “Pensar, pensei. Mas não é fácil, porque trabalhamos, não podemos deixar o trabalho”, lamenta Inês Furtado, apressando-se a sair da escola.

Neste ponto, Cristiano José não está de acordo. “Por minha iniciativa não. Deve ser uma decisão da Direção-Geral de Saúde e deve ser uma decisão nacional e concertada”, insiste.

Meia hora depois do toque de entrada já não se vê ninguém à porta da escola. A vida segue a sua aparente normalidade, à espera do que vai decidir o Governo ou de um caso confirmado de coronavírus.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+