Tempo
|
A+ / A-

Vai-se protestar na Queima das Fitas do Porto contra a "cultura machista"

10 mai, 2019 - 22:19 • Redação com Lusa

Decisão surgiu depois da divulgação de vídeos de teor sexual alegadamente feitos em barracas da Queima das Fitas.

A+ / A-

Cerca de 50 pessoas reunidas no Porto decidiram protestar esta sexta-feira e no sábado no Queimódromo, contra a cultura de violação e machismo, após a divulgação de vídeos de teor sexual alegadamente feitos em barracas da Queima das Fitas.

Numa reunião diante da reitoria da Universidade do Porto, numa assembleia aberta do Movimento A Coletiva, foi decidido avançar com "ações de protesto, mas também de sensibilização" à porta do recinto nos dois últimos dias daquele evento, disse Tairana Machado.

A representante do movimento adiantou que no encontro os presentes "debateram sobre o conceito de violação que tem a justiça" e "refletiram sobre a cultura da violação existente nas instituições de ensino, nos espaços públicos de lazer e no meio social".

Segundo a também estudante doutoranda de Sociologia na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, as ações de hoje e de sábado, últimos dois dias da Queima das Fitas, vão ser “simbólicas, deixando claro a crítica à cultura de violação e machista".

O movimento agendou nova assembleia para a próxima semana para "pensar em ações de esclarecimento sobre a cultura de violação".

A responsável do movimento adiantou que o objetivo é "chegar às mulheres que já estejam no ensino superior e se tornem empoderadas e saibam os seus direitos e que possam proteger-se da cultura de violação".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+