Tempo
|
A+ / A-

Greve

Enfermeiros reagem à requisição civil. Há risco de formas de luta "mais incontroláveis"

07 fev, 2019 - 16:18 • Agência Lusa

Reação da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros à requisição civil aprovada pelo Governo esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

A+ / A-

Leia mais:


A Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros avisa o Governo para o risco de surgirem formas de luta "mais incontroláveis" que não sejam suportadas por sindicatos, considerando que os enfermeiros não ficarão serenos face à decisão de requisição civil.

A presidente da ASPE, Lúcia Leite, rejeita os fundamentos para a requisição civil decidida esta quinta-feira em Conselho de Ministros e considera que o Governo “optou por um caminho que parece fácil, mas que lhe pode trazer dificuldades bem maiores no futuro”.

“Não acredito que os enfermeiros, depois de verem como os governantes os desrespeitam, vão ficar serenos com esta decisão”, declarou Lúcia Leite à agência Lusa, indicando que o sindicato ainda vai analisar o alcance da requisição civil “antes de tomar decisões”.

Ainda assim, a presidente da ASPE diz que teme que “possam aparecer outras formas de luta suportadas em movimentos inorgânicos”, formas essas que possam ser “mais incontroláveis”.

“Mas estou de consciência tranquila. Avisei a senhora ministra da Saúde sobre esse risco”, disse.

A presidente da ASPE entende que a fundamentação para a requisição civil “está ferida de verdade” por se basear num incumprimento dos serviços mínimos que “não aconteceu”.

Em declarações à Lusa, Lúcia Leite considerou que “o incumprimento dos serviços mínimos é falso” e que o Governo usou estratégias para “ficcionar factos”.

O Governo decidiu hoje decretar requisição civil na greve dos enfermeiros por considerar que houve incumprimento dos serviços mínimos.

“Foram deliberadamente agendados doentes a mais do que era possível [atender] até em funcionamento normal e temos alguma demonstração disso. Há situações em que os doentes agendados ultrapassam a capacidade dessa sala mesmo não estando em greve”, referiu Lúcia Leite.

A ASPE foi um dos dois sindicatos que decretou a “greve cirúrgica” dos enfermeiros, que decorre em blocos operatórios.

Esta segunda fase de greve começou há uma semana e devia prolongar-se até final do mês. No final do ano passado, uma greve de mais de um mês nos blocos operatórios de hospitais públicos levou ao cancelamento ou adiamento de mais de 7.500 cirurgias.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    07 fev, 2019 Lisboa 19:22
    Uma greve de zelo bem estudada e a requisição civil torna-se inutil... E não é preciso partir cabeças ou grandes processos em Tribunal ...
  • Jonas
    07 fev, 2019 Sintra 18:38
    Vão mas é trabalhar! Gostam de fazer greve paga pelos grupos privados de saúde? Azar! Dá-lhes Costa!
  • Filipe
    07 fev, 2019 évora 18:33
    Já se sabia que agora vinha a vingança , pois os dois sindicatos estão enraizados nas profecias de Benito Mussolini e criados pela palavra feminina de Cavaco , no intuito de espalhar em Portugal e disseminar práticas Fascistas de Extrema - Direita , onde até Hitler aprendeu com o Italiano . Ora , só falta negarem tudo como negam o Holocausto ... mas está à vista de tudo e todos que determinadas pessoas precisam em Portugal de prisão perpétua e já que tem as armas nas mãos , não injetem veneno no soro dos utentes ou não se enganem de propósito nos compostos farmacêuticos , caso Portugal era confrontado com netos e netas de Josef Mengele sem ele saber , talvez renascidos das experiências em laboratórios Nazis nos Campos de Concentração para apuramento da raça Ariana .
  • Batoteiro o governo
    07 fev, 2019 Trib 16:57
    Levem o caso a Tribunal, é tão simples como isso. Peçam a intervenção o Presidente dos afectos - não é só andar aí a distribuir beijinhos aos que apedrejam polícias. Providências cautelares, greve zelo, apelem para Sindicatos e Organizações internacionais, metam baixa médica. Se é para jogar sujo ...

Destaques V+