Tempo
|
A+ / A-

"Não nos peçam para fazer o impossível", diz Costa aos enfermeiros

06 fev, 2019 - 17:29

Declarações proferidas no debate quinzenal no Parlamento, um dia depois de corte de relações institucionais com a Ordem.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, avisou esta quarta-feira os enfermeiros para que não peçam "o impossível" na questão do salário base de entrada na carreira, considerando a líder bloquista, Catarina Martins, que estes profissionais "são muito melhores do que a sua bastonária".

"Os enfermeiros e as enfermeiras deste país são muito melhores do que a sua bastonária ou do que declarações irresponsáveis de alguns dos seus dirigentes. São do melhor que o país tem, são o melhor que Serviço Nacional de Saúde tem. E os utentes sabem que é com eles à sua cabeceira que contam todos os dias", disse Catarina Martins no debate quinzenal de hoje.

Na resposta, o primeiro-ministro garantiu que "o Governo tem tido um extremo cuidado em não confundir os enfermeiros com aquilo que é a atuação da sua Ordem e em particular da sua bastonária", fazendo questão de deixar "um pouco de memória sobre as reposições e avanços que estes profissionais tiveram em três anos.

"Não nos peçam para fazer o impossível porque de facto o impossível, isso, nós não fazemos. E essa ideia de que de repente tudo é possível, já e ao mesmo tempo, é uma ideia completamente errada, altamente perniciosa", avisou Costa.

O chefe do executivo referia-se às exigências sobre a base salarial no início da carreira dos enfermeiros.

"Tem agora como base de entrada os 1.200 euros, a reivindicação é que o ponto de entrada passe a ser os 1.600 euros, isso senhora deputada, com toda a franqueza, o país não tem condições, não é justo para outras carreiras paralelas em que estas condições não existem", contrapôs.

Para Costa, "sendo obviamente legítimo a qualquer ser humano ter a ambição de ganhar melhor, é também o dever de qualquer governante saber medir o que é justo e o que é injusto e quais são as condições de prosseguir o avanço".

A abordagem deste assunto no debate quinzenal, numa altura em que os enfermeiros continuam a cumprir uma "greve cirúrgica" desde novembro, aconteceu um dia depois de o Governo ter cortado relações institucionais com a Ordem que representa a classe.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Et tu, Catarina?
    06 fev, 2019 AR 18:17
    A atriz falhada, a Catarina BE, a apoiar o dono. Ao fim-de-semana faz Oposição, durante a semana está aos pés do dono. Se acha que os Enfermeiros são assim tão bons eas reivindicações justissimas, está à espera de quê, sabendo-se que o PS embora não se comporte como tal, é minoritário na AR e não durava uma semana sem o apoio do BE e PCP?

Destaques V+