Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Professores protestam com discussão do OE em pano de fundo

02 nov, 2018 - 20:45

Os docentes continuam a exigir a contabilização dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado.

A+ / A-

Centenas de professores manifestaram-se em frente ao Parlamento, quando o ministro da Educação discutia com os deputados o orçamento do setor para o próximo ano, exigindo a contagem de todo o tempo de serviço.

Bandeiras dos vários sindicatos presentes e apitos ruidosos marcaram e coloriram o plenário transformado em protesto frente à escadaria da Assembleia da República, que juntou cerca de 500 professores e terminou com uma intervenção do secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, ao lado dos dirigentes das restantes estruturas sindicais que, em plataforma, reivindicam a contagem integral do tempo de serviço congelado e com a aprovação por unanimidade e aclamação de uma moção que elenca as principais reivindicações da classe docente.

A contabilização dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado continua a ser o grande braço de ferro, que motivou hoje que fossem mostrados cartões vermelhos ao Governo, com os professores a depositarem esperanças no parlamento para reverter a imposição unilateral da contagem de apenas dois anos, nove meses e 18 dias, por decreto-lei do Governo, que ainda não foi promulgado pelo Presidente da República e que os professores esperam que os partidos revertam no parlamento, através dos pedidos de apreciação parlamentar que o Bloco de Esquerda e PCP já anunciaram que iam fazer.

"A minha esperança é que agora na especialidade os partidos consigam por na lei aquilo que também dizem: que nós temos razão, que ao fim ao cabo já está em lei que têm que contar todo o tempo de serviço, só falta mesmo o como e quando. Não peço mais nada, só isso. Já agora peço outra coisa: que cada professor possa escolher se o tempo reverterá para a sua carreira ou para a sua reforma. Eu estou no 10.º escalão. Para a carreira já não me faz falta, faz-me falta para a reforma", disse à Lusa Maria Eduarda Carmona, professora do 1.º ciclo.

Com a bandeira da Fenprof ao ombro, a docente ouvia com entusiasmo o discurso de Mário Nogueira, ainda que aos 60 anos de idade e quarenta de serviço feitos na quinta-feira já pense no momento da aposentação. Sabe de cor o dia em que vai acontecer: 8 de novembro de 2023, se a contagem do tempo não puder ser usada para a aposentação.

Aos 60 anos admite alguma desmotivação e efeitos na saúde -- "quem é um profissional sabe que já não está a trabalhar como deve ser" --, mas continua pelo gosto "pelos miúdos e pela profissão", mas no que diz respeito à luta recusa cansaço.

"Cansados sim, vencidos não", disse por seu lado Celestina Pinto, educadora de infância em relação aos efeitos da sucessão de greves e manifestações de professores.

Também gostaria de poder escolher entre ter o tempo de serviço congelado contabilizado para a carreira ou para a reforma, mas o importante, frisou, "é não baixar os braços e continuar a lutar até que se consiga alguma coisa".

Deputados do PCP, Bloco de Esquerda e PSD saíram por uns instantes do debate do orçamento para manifestarem a sua solidariedade com os professores, que Mário Nogueira espera que não seja "só de conversa", mas sim uma solidariedade "ativa e propositiva", corrigindo no OE 2019 aquilo que nele encontram de errado, mas também o decreto-lei da contagem do tempo de serviço, na perspetiva de consignar verbas no orçamento que permitam executar as alterações que venham a ser propostas em sede de apreciação parlamentar.

"Estamos aqui não é só para protestar, exigimos medidas concretas, ou seja, propostas dos grupos parlamentares e depois entendimentos entre eles para poder consagrar verbas do OE 2019 para aquilo que é preciso fazer. O problema é que há muita coisa para fazer. Não queremos que se faça tudo de uma vez, mas queremos que se vá fazendo e que se comece a fazer em 2019", disse o líder da Fenprof.

Mário Nogueira disse ainda que a greve nas escolas às reuniões fora do horário de trabalho dos professores e outras atividades não letivas "tem crescido de dia para dia" e admite que, a prazo, os seus efeitos acabem por ser "paralisar o funcionamento das escolas", porque as reuniões em falta nas escolas podem ser apenas de coordenação, "mas são necessárias que se façam".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+