Tempo
|
A+ / A-

MP pede julgamento de vereadora e funcionário por queda de árvore na Madeira

04 out, 2018 - 18:19

Arguidos estão acusados de 13 crimes de homicídio negligente e 24 crimes de ofensas à integridade física por negligência.

A+ / A-

O Ministério Público requereu o julgamento da vice-presidente da Câmara do Funchal e de um chefe de divisão municipal por homicídio negligente, na sequência da queda de uma árvore de grande porte no Monte, em 2017, foi anunciado esta quinta-feira.

Segundo uma nota divulgada no site da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa, Idalina Perestrelo (que detém os pelouros do Ambiente Urbano, Espaços Verdes e Espaços Públicos, Gestão Ambiental e Conservação da Natureza) e Francisco Andrade (chefe da Divisão de Jardins e Espaços Verdes Urbanos) estão acusados de 13 crimes de homicídio negligente e 24 crimes de ofensas à integridade física por negligência.

Em relação ao terceiro arguido, o presidente da Câmara do Funchal, Paulo Cafôfo, "foi proferido despacho de arquivamento parcial por insuficiência da prova indiciária".

De acordo com o Ministério Público, o carvalho que caiu nas Festas da Senhora do Monte, no Funchal, Madeira, em 15 de agosto do ano passado, "apresentava uma arquitetura desequilibrada, pernadas com sinais de doença e cogumelos no colo indicadores de se encontrar atacado de podridões".

"Ficou suficientemente indiciado o dever de conhecimento pelos arguidos da fonte que risco que constituía a árvore centenária, que aparentava visivelmente ao longo dos tempos sinais de más condições fitossanitárias", descreve a Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa.

A queda da árvore provocou 13 mortos e cerca de 50 feridos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+