Tempo
|
A+ / A-

SNS investiu quase 90 milhões em medicamentos para doenças raras

28 fev, 2018 - 08:15

A oncologia destaca-se como a área com mais peso, com 60% do total, seguida das doenças respiratórias (15%) e da infecciologia (4%).

A+ / A-

Quase noventa milhões de euros do Serviço Nacional de Saúde (SNS) foram gastos no ano passado em medicamentos para tratar doenças raras. Os são revelados pelo Infarmed no âmbito do Dia das Doenças Raras.

A Autoridade do Medicamento aprovou em 2017 o financiamento de sete medicamentos para tratar doenças raras (órfãos) e que, no total, estão disponíveis e a ser utilizados 62 fármacos do género, mais do dobro do que há 10 anos.

Segundo o Infarmed, "o número de moléculas destinadas ao tratamento de doenças raras tem vindo a crescer a nível europeu, em resposta às necessidades de doentes que têm habitualmente menos alternativas terapêuticas".

"Nem todos os medicamentos aprovados na União Europeia foram utilizados em Portugal, por não terem sido ainda prescritos ou por não existirem casos diagnosticados das doenças a que se destinam", recorda.

O Infarmed refere que, entre janeiro e novembro de 2017, os medicamentos órfãos representaram um investimento de 89,2 milhões de euros para o SNS, mais 3,3 milhões de euros do que no período homólogo.

"O peso no total da despesa com medicamentos nos hospitais tem-se mantido estável, representando 8% do total", indica a nota da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde.

A oncologia destaca-se como a área terapêutica com mais peso, com 60% do total, seguida das doenças respiratórias (15%) e da infecciologia (4%).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+