Tempo
|
A+ / A-

Classe média tem dificuldades em ir ao dentista

22 fev, 2018 - 11:37

Quase 60% pagam as consultas na totalidade. Ordem pede comparticipação dos cuidados de saúde oral no SNS.

A+ / A-

“É preciso criar mecanismos de comparticipação das consultas. Para ajudar as famílias, até da classe média, a ter acesso à medicina dentária”. A ideia é defendida pelo bastonário dos Médicos Dentistas.

“Era fundamental [criar] uma comparticipação para os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) quando não exista médicos dentistas nos centros de saúde, para complementar o programa do cheque dentista e para a generalidade da população”, refere Orlando Monteiro da Silva em entrevista à agência Lusa.

De acordo com o Estudo da Empregabilidade realizado no ano passado e agora divulgado pela Ordem, entre 50 a 60% dos utentes pagam integralmente no ato da consulta ou do tratamento no médico dentista.

Há ainda 13 a 16% que paga através de seguro de saúde, 10 a 13% por subsistema público e 5 a 7% por plano de saúde. Depois, cerca de 6% por cheque dentista e três a cinco por cento a crédito.

Apesar de 44% dos médicos dentistas considerarem que o número de utentes subiu entre 2016 e 2017, a Ordem sublinha que há uma larga fatia da população que "não tem capacidade económica para ir ao médico dentista".

"As pessoas que não têm capacidade económica não vão ao médico dentista e as que não vão também não têm capacidade para fazer um seguro [de saúde]. É preciso investir muito no acesso à medicina dentária, criar outros mecanismos que ajudem os portugueses com menores recursos. Mesmo a classe média está impedida, em grande parte, de ter acesso à medicina dentária, porque apenas está presente no setor privado", afirma Orlando Monteiro da Silva.

Embora aplauda os projetos que há menos de dois anos começaram a integrar médicos dentistas nos centros de saúde, o bastonário indica que a presença de dentistas no SNS ainda é tímida. Por isso, defende comparticipações para ajudar a população a recorrer à medicina dentária.

A Ordem dos Médicos Dentistas chegou já a propor a criação de um seguro estatal para a saúde oral que funcione à semelhança da ADSE dos funcionários públicos.

Segundo um estudo apresentado pela Ordem em 2016, o Estado precisaria de 280 milhões de euros anuais para dar a todos os utentes acesso a cuidados de medicina dentária em regime de convenção com consultórios privados.

O custo anual de 280 milhões de euros permitiria incluir cerca de 90% dos cuidados de saúde para todos os utentes do SNS. Ou seja, naqueles custos estão contemplados os cuidados e tratamentos mais frequentes, como extrações, desvitalizações ou limpezas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alf
    22 fev, 2018 Marte 21:50
    Ainda há classes em Portugal?? A geringonça ainda não acabou com essa discriminação??
  • DR XICO
    22 fev, 2018 LISBOA 12:21
    Classe média NÃO VAI MESMO AO DENTISTA, É CARO, NÃO HÁ CONVENÇÕES COM SNS OU ADSE, isto para não falar na classe baixa esses andam com dentes podres e andam a fazer mezinhas para passar as dores... ora bolas para o governo das esquerdas que tem dinheiro para as PPPS, Bancos, Gestores pagos a peso de ouro, negócios com firmas amigas...

Destaques V+