Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Entrevista

David Justino à Renascença: “se o professor passar a animador perde a razão de ser”

06 fev, 2018 - 22:01

O grande desafio da escola é lidar com a "contaminação" das "fontes informais de conhecimento: a internet, a televisão, os iphones”, avisa o antigo ministro da Educação, em entrevista às tardes da Renascença.

A+ / A-
Entrevista a David Justino

Os rankings das escolas e o impacto da internet na educação e na escola foram temas em destaque na entrevista de David Justino às tardes da Renascença.

O antigo ministro da Educação e presidente do Conselho Nacional de Educação considera que a escola é a fonte mais poderoso de conhecimento e o seu “grande desafio é lidar com as fontes informais de conhecimento: a internet, a televisão, os iphones”.

“A escola está a ser contaminada por esta influência do conhecimento exterior, informal. Nota-se bastante. O nível de exposição dos alunos, em qualquer lugar do mundo, a este tipo de informação, quer sejam as verdades que a pós-verdade, é enorme. Eles estão mais tempo, às vezes, expostos a fontes de formação e informação não formal do que estão expostos à aprendizagem na escola. Quando a escola quiser fazer aquilo que se faz na rua, deixou de ter sentido e razão de ser. Então não vale a pena ir à escola”, avisa David Justino.

O antigo ministro também adverte que o professor não pode passar a ser uma espécie de “animador cultural”, que “já não ensina”.

“Ai dos professores que fizerem isto, porque perdem a sua razão de ser”, sublinha David Justino nesta entrevista à Renascença que pode ouvir na íntegra no topo deste artigo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+