Tempo
|
A+ / A-

Procuradora defende “cooperação e respeito mútuo” entre Estados

18 jan, 2018 - 16:09

Na abertura do ano judicial, sem nunca mencionar casos concretos, como o de Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola, Joana Marques Vidal fez várias referências à importância de respeitar as regras que existem entre Estados.

A+ / A-

Naquele que pode ter sido o seu último discurso numa cerimónia de abertura do ano judicial, a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, dedicou especial atenção à cooperação internacional e defendeu a necessidade de “respeito mútuo” entre países.

Sem nunca mencionar casos concretos, como o de Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola, Joana Marques Vidal fez, no entanto, várias referências à importância de respeitar as regras que existem entre Estados.

“Na actualidade, as justiças nacionais encontram-se intrinsecamente interdependentes, sempre no profundo respeito pelos valores constitucionais fundadores dos Estados, pelos respectivos sistemas de justiça e no cumprimento rigoroso das convenções e instrumentos jurídicos de cooperação judiciária entre si assinados, respeito que necessariamente deve ser mutuo”, declarou a procuradora.

“Há que reconhecer a especial ligação do Ministério Público português ao Ministério Público dos países da CPLP e territórios de língua oficial portuguesa, pela identidade comum dos princípios enformadores da arquitectura jurídica e judiciária dos nossos países, fruto também dos laços históricos que nos unem”, sublinhou.

A procuradora-geral da República faz um balanço positivo dos últimos cinco anos de actividade do Ministério Público (MP).

Mais à frente no seu discurso, Joana Maques Vidal defendeu que a alteração do estatuto do Ministério Público é “inadiável” e elogiou o pacto da Justiça, apresentado pelos agentes do sector.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ibrahim Miguel
    20 jan, 2018 Luanda-Angola 15:08
    Pormas que tenhamos um governo corrupto isso não voz da o direito de julga o nosso povo muito menos o nosso pais vocês não conheçem Angola e muito menos os Angolanos vocês acreditam em tudo que os mídias do vosso pais dizem do nosso país pôs eles não conheçem Angola mais metem o nome do nosso país e do nosso povo na lama nos não dependemos do nosso governo para viver toda nossa vida acordamos e vamos aluta para por um saco de arroz em casa nunca vamos nos ajoelhera perante a vocês ou diante de uma outra nação somos soberanos e ninguém vai nos tira isso e quem tentar seram derrotados
  • Verdade
    18 jan, 2018 Guarda 21:01
    A ministra da justiça quer fora a Marques Vidal, porque esta está a mexer com os amiguinhos de Angola da ministra, são os ditos compadrios, muito dinheiro em jogo, isto porque quando a dita ministra deixar o seu poleiro vão ver para onde vai.. Para outro poleiro em Angola...gente do mais baixo nível SÓ APARÊNCIAS DIGNIDADE NENHUMA O DINHEIRO COMPRA TUDO
  • BROCAS
    18 jan, 2018 16:35
    ALGUÉM ACREDITA QUE ESTE ANGOLANO ERA JULGADO EM ANGOLA ??......AHAHAH, SÃO FARINHA DO MESMO SACO

Destaques V+